Para quem quer poupar combustivel !


Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

A "pendenga torquiana"

Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4 ... 11 ... 19  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo  Mensagem [Página 3 de 19]

51 Re: A "pendenga torquiana" em Qui 29 Nov 2012, 20:53

h-roo escreveu:
tanpa nama escreveu:
C A R A C A V É I O !!!!!!
O CARA MIOU
TEEEEENSO

É SEU ET EU SABIA, EU SABIA KKKKKKKKKK




Encontrei teu moquifo e o carro que tu dirige "Sem nome", "Tanpa yayasan", "Tanpa zakar". "Tanpa pakaian dalam" ...kkkkkkkkkkk





kkkkkkk eu me divirto com vcs dois, os ets vão vaporizar o planeta com os vaporizadores do Hugo, e vai sobrar somento dois seres terraqueos o et HHO existe e o Hugo, vão continuar o resto de seus dias nessa pendenga kkkkkkk.

Ver perfil do usuário

52 Re: A "pendenga torquiana" em Qui 29 Nov 2012, 21:04

Jonas ACORDA! O cara jogou a toalha, desistiu da pendenga alegando que não tem como fazer o cálculo (quer dizer: Não sabe). Disso tu não fala nada?

A pendenga acabou! Hoje é a festa da conquista!

Ver perfil do usuário

53 Re: A "pendenga torquiana" em Qui 29 Nov 2012, 21:18

ET-e-HHO-existe escreveu:Jonas ACORDA! O cara jogou a toalha, desistiu da pendenga alegando que não tem como fazer o cálculo (quer dizer: Não sabe). Disso tu não fala nada?

A pendenga acabou! Hoje é a festa da conquista!
UFA, QUE TAL FESTEJAREM? SENTAREM JUNTOS A NOITE AO AR LIVRE, OLHAREM A LUA CHEIA E TOMAREM UM CHAZINHO MARCA DAIME, HEHEHEH

Ver perfil do usuário

54 Re: A "pendenga torquiana" em Qui 29 Nov 2012, 21:19

h-roo


Rank : 5
Rank : 5
ET-e-HHO-existe escreveu:Jonas ACORDA! O cara jogou a toalha, desistiu da pendenga alegando que não tem como fazer o cálculo (quer dizer: Não sabe). Disso tu não fala nada?

A pendenga acabou! Hoje é a festa da conquista!

E o babaca do "ET-Tanpa pakaian dalam" fica trovando como se ele soubesse fazer o cálculo sem o dado principal, que ele também não sabe, que é a força de atrito, que o carro oferece como resistência...rsrs

É uma sumidade quando viaja (nas maionese)?...kkkkkkkkkkkk

Ai ele, pra completar, encontra o Potência momentânea do motor a partir de outra Tanpa Yayasan, dos 19,41 de torque, A PARTIR DO RPM DA RODA, quando a formula manda aplicar a RPM do motor...kkkkkkkkk
E mais, esquece que entre a roda e o motor tem um sistema de transmição de potenciaxtorque. Que inteligência, voces não acham?
Não é por nada que o outro sumo-sapiente Tanpa se aliou às "descobertas"...kkkkkkkkkkkkkk

Ver perfil do usuário

55 Re: A "pendenga torquiana" em Qui 29 Nov 2012, 21:49

Goooooool!
Vrummmmmm! Vrummmmmmm!

Ver perfil do usuário

56 Re: A "pendenga torquiana" em Qui 29 Nov 2012, 21:57

h-roo


Rank : 5
Rank : 5
Só o que restou ao tonto Tanpa Zakar...kkkkkkkk
Não responde nem suas próprias perguntas...
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Ver perfil do usuário

57 Re: A "pendenga torquiana" em Qui 29 Nov 2012, 22:03

h-roo


Rank : 5
Rank : 5
Uma sugestão leitura ao Tanpa nama, já que se afinou tão bem com o ET Tanpa Zakar:






kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Ver perfil do usuário

58 Re: A "pendenga torquiana" em Qui 29 Nov 2012, 22:17

h-roo escreveu:Milzon
Tu tens todos os dados para refazer teus cálculos, portanto encerro minha implicancia contigo.

Mas antes vou te contar uma história, e tenho certeza que vais aprender mais umas coisinhas.

Comecemos pela chamada CAIXA SECA, que tenho certeza, pela idade de todos aqui, que ninguem nunca dirigiu um carro ou caminhão com esse tipo de CAIXA, e possivelmente nunca tenham ouvido falar.
É o seguinte, as CAIXAS de mudaça antigamente não SINCRONIZAVAM a RPM do motor com a rotação que vinha das rodas...então era necessario fazer a DUPLA EMBREAGEM...ou seja, para reduzir a marcha, DEBREAVA-SE, jogava para PONTO MORTO, acelerava-se o motor acima da RPM da marcha anterior e DEBREAVA-SE novamente para engatar a marcha menor. Se não fizesse isso raspava as duas engrenagens do cãmbio e não entrava a marcha. Tinha caso do pessoal simplesmente arrancar dente fora. Hoje, com os cambios com SINCRONIZADORES qualquer um dirige, naquela época tinha que ter exata noção de como a coisa funcionava. E um bom motorista de um FNM, quando ia dirigir um caminhão Mercedes saia fazendo barbeiragens. E a brincadeira era dizermos pro cara: "..Um dia vão inventar um câmbio com engrenagem de borracha pra voce..."...acabaram inventando os sincronizadores.

Bem, seguindo...quando surgiram os sincronizadores, nos primeiros "novos" câmbios, a 1ª não era sincronizada, pois normalmente só usava engatar para sair, ou seja, parado, na lenta. Ai quando surgiu a F-100 da Ford, a 1ª não era sincronizada. Eu tinha uma nessa época em que vou agora contar a parte interessante.
Com os carros de cambio sincronizado, todo mundo passou a se "ACHAR" motorista. Eu e mais alguns que tinham apreendido lá atrás então diziamos para os "ACHENTOS": "Quero ver tu engatar uma 1ª a 80 km por hora...e eu fazia isso na F-100 com a maior tranquilidade, com DUPLA embreagem, como acima descrito.
Os novatos iam fazer e só dava engrenagem raspando e não conseguiam...com o tempo claro, aprendiam.

Mas agora vem o hilário da história. Surge o Simca Chambord e o Simca Explanada, um luxo de carro, o primeiro com a 1ª marcha também sincronizada.
O pai de um amigo meu na época, Capitão do Exército, comprou um Explanada...nos não sabiamos que tinha o câmbio totalmente sincronizado.
Muito bem, na primeira oportunidade esse nosso amigo começou o desafio, que engataria a 1ª a 90 KM por hora.
E fomos pra estrada, eu na F-100, com mais dois amigos e o colega do Explanda lotou o carro com o resto da turma.
Então ele foi aumentando a velocidade, chegou nos 90 por hora e tranquilamente engatou a PRIMEIRONA. Acontece que entrar a marcha era tranquilo, o que ele não sabia é que para essa molecagem, mesmo a caixa sendo sincronizada, a DUPLA EMBREAGEM devioa ser usada, para que no momento de soltar a embreagem na segunda vez, o motor estivesse com RPM compatível com o eixo piloto acoplado no disco. Não fez e soltou a embreagem com o carro a 90 por hora, e o motor na lenta.

Resultado, estourou a capa seca, o cambio voou pra um lado da estrada e o cardã para o outro..por muito pouco não capotaram o carro...e claro, o Explanda com menos de 2.000 Km rodados teve de receber carcaça de cãmbio nova, platô, disco, cruzetas e cardã...e o meu colega um ano sem dirigir....rsrs

Conto isso Milzon, para tu ter um pouco de noção do que é torque, já que nessa situação potencia não estava envolvida, pois o motor estava na lenta, apenas fez freio motor mas a acoplagem do cambio não aquentou a pancada.

Hugo, dando uma pausa nos festejos do dia, queria lhe fazer uma pergunta:

Tu levou o carro a 90km/h, provavelmente de forma normal acelerando e trocando de marcha, depois, com seu método de dupla debreagem, tu tascou a primeira, mas antes tu fez motor e caixa de marcha sincronizar as velocidades, motivo de tu não ter arrebentado o carro e teu colega sim. Muito interessante mesmo essa história.

Agora a pergunta:

Se tu colocou o motor em 1ª marcha a 90km/h, o motor foi a uma rotação altíssima, no meu carrinho virtual de experiência isso seria 14.428 RPM no motor, no teu eu não sei a rotação, mas é evidente que foi altíssima também. Eu vejo duas possibilidades: Depois da troca de marcha o motor não aguentou mais manter a rotação fora da faixa normal e fez um verdadeiro freio motor, ou por estar na 1ª marcha a quase baixíssima potência do motor, fora da faixa utilizável, ainda conseguiu manter a velocidade. Qual das duas opções ocorreu, ou como foi a experiência de estar a 90km/h em 1ª marcha?

Ver perfil do usuário

59 Re: A "pendenga torquiana" em Qui 29 Nov 2012, 22:32

h-roo


Rank : 5
Rank : 5
ET-e-HHO-existe escreveu:
h-roo escreveu:Milzon
Tu tens todos os dados para refazer teus cálculos, portanto encerro minha implicancia contigo.

Mas antes vou te contar uma história, e tenho certeza que vais aprender mais umas coisinhas.

Comecemos pela chamada CAIXA SECA, que tenho certeza, pela idade de todos aqui, que ninguem nunca dirigiu um carro ou caminhão com esse tipo de CAIXA, e possivelmente nunca tenham ouvido falar.
É o seguinte, as CAIXAS de mudaça antigamente não SINCRONIZAVAM a RPM do motor com a rotação que vinha das rodas...então era necessario fazer a DUPLA EMBREAGEM...ou seja, para reduzir a marcha, DEBREAVA-SE, jogava para PONTO MORTO, acelerava-se o motor acima da RPM da marcha anterior e DEBREAVA-SE novamente para engatar a marcha menor. Se não fizesse isso raspava as duas engrenagens do cãmbio e não entrava a marcha. Tinha caso do pessoal simplesmente arrancar dente fora. Hoje, com os cambios com SINCRONIZADORES qualquer um dirige, naquela época tinha que ter exata noção de como a coisa funcionava. E um bom motorista de um FNM, quando ia dirigir um caminhão Mercedes saia fazendo barbeiragens. E a brincadeira era dizermos pro cara: "..Um dia vão inventar um câmbio com engrenagem de borracha pra voce..."...acabaram inventando os sincronizadores.

Bem, seguindo...quando surgiram os sincronizadores, nos primeiros "novos" câmbios, a 1ª não era sincronizada, pois normalmente só usava engatar para sair, ou seja, parado, na lenta. Ai quando surgiu a F-100 da Ford, a 1ª não era sincronizada. Eu tinha uma nessa época em que vou agora contar a parte interessante.
Com os carros de cambio sincronizado, todo mundo passou a se "ACHAR" motorista. Eu e mais alguns que tinham apreendido lá atrás então diziamos para os "ACHENTOS": "Quero ver tu engatar uma 1ª a 80 km por hora...e eu fazia isso na F-100 com a maior tranquilidade, com DUPLA embreagem, como acima descrito.
Os novatos iam fazer e só dava engrenagem raspando e não conseguiam...com o tempo claro, aprendiam.

Mas agora vem o hilário da história. Surge o Simca Chambord e o Simca Explanada, um luxo de carro, o primeiro com a 1ª marcha também sincronizada.
O pai de um amigo meu na época, Capitão do Exército, comprou um Explanada...nos não sabiamos que tinha o câmbio totalmente sincronizado.
Muito bem, na primeira oportunidade esse nosso amigo começou o desafio, que engataria a 1ª a 90 KM por hora.
E fomos pra estrada, eu na F-100, com mais dois amigos e o colega do Explanda lotou o carro com o resto da turma.
Então ele foi aumentando a velocidade, chegou nos 90 por hora e tranquilamente engatou a PRIMEIRONA. Acontece que entrar a marcha era tranquilo, o que ele não sabia é que para essa molecagem, mesmo a caixa sendo sincronizada, a DUPLA EMBREAGEM devioa ser usada, para que no momento de soltar a embreagem na segunda vez, o motor estivesse com RPM compatível com o eixo piloto acoplado no disco. Não fez e soltou a embreagem com o carro a 90 por hora, e o motor na lenta.

Resultado, estourou a capa seca, o cambio voou pra um lado da estrada e o cardã para o outro..por muito pouco não capotaram o carro...e claro, o Explanda com menos de 2.000 Km rodados teve de receber carcaça de cãmbio nova, platô, disco, cruzetas e cardã...e o meu colega um ano sem dirigir....rsrs

Conto isso Milzon, para tu ter um pouco de noção do que é torque, já que nessa situação potencia não estava envolvida, pois o motor estava na lenta, apenas fez freio motor mas a acoplagem do cambio não aquentou a pancada.

Hugo, dando uma pausa nos festejos do dia, queria lhe fazer uma pergunta:

Tu levou o carro a 90km/h, provavelmente de forma normal acelerando e trocando de marcha, depois, com seu método de dupla debreagem, tu tascou a primeira, mas antes tu fez motor e caixa de marcha sincronizar as velocidades, motivo de tu não ter arrebentado o carro e teu colega sim. Muito interessante mesmo essa história.

Agora a pergunta:

Se tu colocou o motor em 1ª marcha a 90km/h, o motor foi a uma rotação altíssima, no meu carrinho virtual de experiência isso seria 14.428 RPM no motor, no teu eu não sei a rotação, mas é evidente que foi altíssima também. Eu vejo duas possibilidades: Depois da troca de marcha o motor não aguentou mais manter a rotação fora da faixa normal e fez um verdadeiro freio motor, ou por estar na 1ª marcha a quase baixíssima potência do motor, fora da faixa utilizável, ainda conseguiu manter a velocidade. Qual das duas opções ocorreu, ou como foi a experiência de estar a 90km/h em 1ª marcha?

Eu pessoalmente, com a F-100 colocava a 1ª a 80 km, não 90 que ela não alcançava na 1ª...A 90 foi o moleque, que não sei também se na marcha 1ª chegaria a 90, mas engatou porque era sincronizada, ao contrário da F-100 que ainda tinha a 1ª sem sincronismo.
Na F-100, ao engatar a 1ª a 80 por hora, soltava a embreagem com o pé calcado no acelerador, só depois reduzia a pressão para começar a fazer freio motor sem tranco...se quizesse continuar a 80 era só manter o pé no fundo...mas não fazia, pois era o limite do motor, e ai se torna perigoso manter por longo tempo.

Agora, tem um dado, não compare com os atuais automóveis e seus câmbios
Tanto a F-100 como o Esplanada tinham câmbio de somente 3 marchas, bastante longas entre.
Tanto a F-100 era motor V8 (Rocket, 197 HP) como o Esplanada V8 (HEMI, 217 HP)...marchas longas de câmbio longo.

Aproveito para te perguntar: Porque tu acha que teus colegas não conseguiam reduzir no tempo sem embreagem,e apenas para marcha maior?
Considere que é bem mais fácil dirigir um carro sincronizado sem embreagem do que um antigo "caixa seca" com embreagem.



Última edição por h-roo em Qui 29 Nov 2012, 22:37, editado 1 vez(es)

Ver perfil do usuário

60 Re: A "pendenga torquiana" em Qui 29 Nov 2012, 22:37

h-roo escreveu:
ET-e-HHO-existe escreveu:
h-roo escreveu:Milzon
Tu tens todos os dados para refazer teus cálculos, portanto encerro minha implicancia contigo.

Mas antes vou te contar uma história, e tenho certeza que vais aprender mais umas coisinhas.

Comecemos pela chamada CAIXA SECA, que tenho certeza, pela idade de todos aqui, que ninguem nunca dirigiu um carro ou caminhão com esse tipo de CAIXA, e possivelmente nunca tenham ouvido falar.
É o seguinte, as CAIXAS de mudaça antigamente não SINCRONIZAVAM a RPM do motor com a rotação que vinha das rodas...então era necessario fazer a DUPLA EMBREAGEM...ou seja, para reduzir a marcha, DEBREAVA-SE, jogava para PONTO MORTO, acelerava-se o motor acima da RPM da marcha anterior e DEBREAVA-SE novamente para engatar a marcha menor. Se não fizesse isso raspava as duas engrenagens do cãmbio e não entrava a marcha. Tinha caso do pessoal simplesmente arrancar dente fora. Hoje, com os cambios com SINCRONIZADORES qualquer um dirige, naquela época tinha que ter exata noção de como a coisa funcionava. E um bom motorista de um FNM, quando ia dirigir um caminhão Mercedes saia fazendo barbeiragens. E a brincadeira era dizermos pro cara: "..Um dia vão inventar um câmbio com engrenagem de borracha pra voce..."...acabaram inventando os sincronizadores.

Bem, seguindo...quando surgiram os sincronizadores, nos primeiros "novos" câmbios, a 1ª não era sincronizada, pois normalmente só usava engatar para sair, ou seja, parado, na lenta. Ai quando surgiu a F-100 da Ford, a 1ª não era sincronizada. Eu tinha uma nessa época em que vou agora contar a parte interessante.
Com os carros de cambio sincronizado, todo mundo passou a se "ACHAR" motorista. Eu e mais alguns que tinham apreendido lá atrás então diziamos para os "ACHENTOS": "Quero ver tu engatar uma 1ª a 80 km por hora...e eu fazia isso na F-100 com a maior tranquilidade, com DUPLA embreagem, como acima descrito.
Os novatos iam fazer e só dava engrenagem raspando e não conseguiam...com o tempo claro, aprendiam.

Mas agora vem o hilário da história. Surge o Simca Chambord e o Simca Explanada, um luxo de carro, o primeiro com a 1ª marcha também sincronizada.
O pai de um amigo meu na época, Capitão do Exército, comprou um Explanada...nos não sabiamos que tinha o câmbio totalmente sincronizado.
Muito bem, na primeira oportunidade esse nosso amigo começou o desafio, que engataria a 1ª a 90 KM por hora.
E fomos pra estrada, eu na F-100, com mais dois amigos e o colega do Explanda lotou o carro com o resto da turma.
Então ele foi aumentando a velocidade, chegou nos 90 por hora e tranquilamente engatou a PRIMEIRONA. Acontece que entrar a marcha era tranquilo, o que ele não sabia é que para essa molecagem, mesmo a caixa sendo sincronizada, a DUPLA EMBREAGEM devioa ser usada, para que no momento de soltar a embreagem na segunda vez, o motor estivesse com RPM compatível com o eixo piloto acoplado no disco. Não fez e soltou a embreagem com o carro a 90 por hora, e o motor na lenta.

Resultado, estourou a capa seca, o cambio voou pra um lado da estrada e o cardã para o outro..por muito pouco não capotaram o carro...e claro, o Explanda com menos de 2.000 Km rodados teve de receber carcaça de cãmbio nova, platô, disco, cruzetas e cardã...e o meu colega um ano sem dirigir....rsrs

Conto isso Milzon, para tu ter um pouco de noção do que é torque, já que nessa situação potencia não estava envolvida, pois o motor estava na lenta, apenas fez freio motor mas a acoplagem do cambio não aquentou a pancada.

Hugo, dando uma pausa nos festejos do dia, queria lhe fazer uma pergunta:

Tu levou o carro a 90km/h, provavelmente de forma normal acelerando e trocando de marcha, depois, com seu método de dupla debreagem, tu tascou a primeira, mas antes tu fez motor e caixa de marcha sincronizar as velocidades, motivo de tu não ter arrebentado o carro e teu colega sim. Muito interessante mesmo essa história.

Agora a pergunta:

Se tu colocou o motor em 1ª marcha a 90km/h, o motor foi a uma rotação altíssima, no meu carrinho virtual de experiência isso seria 14.428 RPM no motor, no teu eu não sei a rotação, mas é evidente que foi altíssima também. Eu vejo duas possibilidades: Depois da troca de marcha o motor não aguentou mais manter a rotação fora da faixa normal e fez um verdadeiro freio motor, ou por estar na 1ª marcha a quase baixíssima potência do motor, fora da faixa utilizável, ainda conseguiu manter a velocidade. Qual das duas opções ocorreu, ou como foi a experiência de estar a 90km/h em 1ª marcha?

Eu pessoalmente, com a F-100 colocava a 1ª a 80 km, não 90 que ela não alcançava na 1ª...A 90 foi o moleque, que não sei também se na marcha 1ª chegaria a 90, mas engatou porque era sincronizada, ao contrário da F-100 que ainda tinha a 1ª sem sincronismo.

Agora, tem um dado, não compare com os atuais automóveis e seus câmbios
Tanto a F-100 como o Esplanada tinham câmbio de somente 3 marchas, bastante longas entre.
Tanto a F-100 era motor V8 (Rocket, 197 HP) como o Esplanada V8 (HEMI, 217 HP)...marchas longas de câmbio longo.

Aproveito para te perguntar: Porque tu acha que teus colegas não conseguiam reduzir no tempo sem embreagem,e apenas para marcha maior?
Considere que é bem mais fácil dirigir um carro sincronizado sem embreagem do que um antigo "caixa seca" com embreagem.
Que beleza, assim sim, to gostando de ver, mas continui rsrsrs.

Ver perfil do usuário

61 Re: A "pendenga torquiana" em Qui 29 Nov 2012, 22:39

h-roo


Rank : 5
Rank : 5
jonas.p.andrade escreveu:
h-roo escreveu:
ET-e-HHO-existe escreveu:
h-roo escreveu:Milzon
Tu tens todos os dados para refazer teus cálculos, portanto encerro minha implicancia contigo.

Mas antes vou te contar uma história, e tenho certeza que vais aprender mais umas coisinhas.

Comecemos pela chamada CAIXA SECA, que tenho certeza, pela idade de todos aqui, que ninguem nunca dirigiu um carro ou caminhão com esse tipo de CAIXA, e possivelmente nunca tenham ouvido falar.
É o seguinte, as CAIXAS de mudaça antigamente não SINCRONIZAVAM a RPM do motor com a rotação que vinha das rodas...então era necessario fazer a DUPLA EMBREAGEM...ou seja, para reduzir a marcha, DEBREAVA-SE, jogava para PONTO MORTO, acelerava-se o motor acima da RPM da marcha anterior e DEBREAVA-SE novamente para engatar a marcha menor. Se não fizesse isso raspava as duas engrenagens do cãmbio e não entrava a marcha. Tinha caso do pessoal simplesmente arrancar dente fora. Hoje, com os cambios com SINCRONIZADORES qualquer um dirige, naquela época tinha que ter exata noção de como a coisa funcionava. E um bom motorista de um FNM, quando ia dirigir um caminhão Mercedes saia fazendo barbeiragens. E a brincadeira era dizermos pro cara: "..Um dia vão inventar um câmbio com engrenagem de borracha pra voce..."...acabaram inventando os sincronizadores.

Bem, seguindo...quando surgiram os sincronizadores, nos primeiros "novos" câmbios, a 1ª não era sincronizada, pois normalmente só usava engatar para sair, ou seja, parado, na lenta. Ai quando surgiu a F-100 da Ford, a 1ª não era sincronizada. Eu tinha uma nessa época em que vou agora contar a parte interessante.
Com os carros de cambio sincronizado, todo mundo passou a se "ACHAR" motorista. Eu e mais alguns que tinham apreendido lá atrás então diziamos para os "ACHENTOS": "Quero ver tu engatar uma 1ª a 80 km por hora...e eu fazia isso na F-100 com a maior tranquilidade, com DUPLA embreagem, como acima descrito.
Os novatos iam fazer e só dava engrenagem raspando e não conseguiam...com o tempo claro, aprendiam.

Mas agora vem o hilário da história. Surge o Simca Chambord e o Simca Explanada, um luxo de carro, o primeiro com a 1ª marcha também sincronizada.
O pai de um amigo meu na época, Capitão do Exército, comprou um Explanada...nos não sabiamos que tinha o câmbio totalmente sincronizado.
Muito bem, na primeira oportunidade esse nosso amigo começou o desafio, que engataria a 1ª a 90 KM por hora.
E fomos pra estrada, eu na F-100, com mais dois amigos e o colega do Explanda lotou o carro com o resto da turma.
Então ele foi aumentando a velocidade, chegou nos 90 por hora e tranquilamente engatou a PRIMEIRONA. Acontece que entrar a marcha era tranquilo, o que ele não sabia é que para essa molecagem, mesmo a caixa sendo sincronizada, a DUPLA EMBREAGEM devioa ser usada, para que no momento de soltar a embreagem na segunda vez, o motor estivesse com RPM compatível com o eixo piloto acoplado no disco. Não fez e soltou a embreagem com o carro a 90 por hora, e o motor na lenta.

Resultado, estourou a capa seca, o cambio voou pra um lado da estrada e o cardã para o outro..por muito pouco não capotaram o carro...e claro, o Explanda com menos de 2.000 Km rodados teve de receber carcaça de cãmbio nova, platô, disco, cruzetas e cardã...e o meu colega um ano sem dirigir....rsrs

Conto isso Milzon, para tu ter um pouco de noção do que é torque, já que nessa situação potencia não estava envolvida, pois o motor estava na lenta, apenas fez freio motor mas a acoplagem do cambio não aquentou a pancada.

Hugo, dando uma pausa nos festejos do dia, queria lhe fazer uma pergunta:

Tu levou o carro a 90km/h, provavelmente de forma normal acelerando e trocando de marcha, depois, com seu método de dupla debreagem, tu tascou a primeira, mas antes tu fez motor e caixa de marcha sincronizar as velocidades, motivo de tu não ter arrebentado o carro e teu colega sim. Muito interessante mesmo essa história.

Agora a pergunta:

Se tu colocou o motor em 1ª marcha a 90km/h, o motor foi a uma rotação altíssima, no meu carrinho virtual de experiência isso seria 14.428 RPM no motor, no teu eu não sei a rotação, mas é evidente que foi altíssima também. Eu vejo duas possibilidades: Depois da troca de marcha o motor não aguentou mais manter a rotação fora da faixa normal e fez um verdadeiro freio motor, ou por estar na 1ª marcha a quase baixíssima potência do motor, fora da faixa utilizável, ainda conseguiu manter a velocidade. Qual das duas opções ocorreu, ou como foi a experiência de estar a 90km/h em 1ª marcha?

Eu pessoalmente, com a F-100 colocava a 1ª a 80 km, não 90 que ela não alcançava na 1ª...A 90 foi o moleque, que não sei também se na marcha 1ª chegaria a 90, mas engatou porque era sincronizada, ao contrário da F-100 que ainda tinha a 1ª sem sincronismo.

Agora, tem um dado, não compare com os atuais automóveis e seus câmbios
Tanto a F-100 como o Esplanada tinham câmbio de somente 3 marchas, bastante longas entre.
Tanto a F-100 era motor V8 (Rocket, 197 HP) como o Esplanada V8 (HEMI, 217 HP)...marchas longas e diferencial longo.

Aproveito para te perguntar: Porque tu acha que teus colegas não conseguiam reduzir no tempo sem embreagem,e apenas para marcha maior?
Considere que é bem mais fácil dirigir um carro sincronizado sem embreagem do que um antigo "caixa seca" com embreagem.
Que beleza, assim sim, to gostando de ver, mas continui rsrsrs.

Ver perfil do usuário

62 Re: A "pendenga torquiana" em Qui 29 Nov 2012, 22:46

h-roo escreveu:
jonas.p.andrade escreveu:
h-roo escreveu:
ET-e-HHO-existe escreveu:
h-roo escreveu:Milzon
Tu tens todos os dados para refazer teus cálculos, portanto encerro minha implicancia contigo.

Mas antes vou te contar uma história, e tenho certeza que vais aprender mais umas coisinhas.

Comecemos pela chamada CAIXA SECA, que tenho certeza, pela idade de todos aqui, que ninguem nunca dirigiu um carro ou caminhão com esse tipo de CAIXA, e possivelmente nunca tenham ouvido falar.
É o seguinte, as CAIXAS de mudaça antigamente não SINCRONIZAVAM a RPM do motor com a rotação que vinha das rodas...então era necessario fazer a DUPLA EMBREAGEM...ou seja, para reduzir a marcha, DEBREAVA-SE, jogava para PONTO MORTO, acelerava-se o motor acima da RPM da marcha anterior e DEBREAVA-SE novamente para engatar a marcha menor. Se não fizesse isso raspava as duas engrenagens do cãmbio e não entrava a marcha. Tinha caso do pessoal simplesmente arrancar dente fora. Hoje, com os cambios com SINCRONIZADORES qualquer um dirige, naquela época tinha que ter exata noção de como a coisa funcionava. E um bom motorista de um FNM, quando ia dirigir um caminhão Mercedes saia fazendo barbeiragens. E a brincadeira era dizermos pro cara: "..Um dia vão inventar um câmbio com engrenagem de borracha pra voce..."...acabaram inventando os sincronizadores.

Bem, seguindo...quando surgiram os sincronizadores, nos primeiros "novos" câmbios, a 1ª não era sincronizada, pois normalmente só usava engatar para sair, ou seja, parado, na lenta. Ai quando surgiu a F-100 da Ford, a 1ª não era sincronizada. Eu tinha uma nessa época em que vou agora contar a parte interessante.
Com os carros de cambio sincronizado, todo mundo passou a se "ACHAR" motorista. Eu e mais alguns que tinham apreendido lá atrás então diziamos para os "ACHENTOS": "Quero ver tu engatar uma 1ª a 80 km por hora...e eu fazia isso na F-100 com a maior tranquilidade, com DUPLA embreagem, como acima descrito.
Os novatos iam fazer e só dava engrenagem raspando e não conseguiam...com o tempo claro, aprendiam.

Mas agora vem o hilário da história. Surge o Simca Chambord e o Simca Explanada, um luxo de carro, o primeiro com a 1ª marcha também sincronizada.
O pai de um amigo meu na época, Capitão do Exército, comprou um Explanada...nos não sabiamos que tinha o câmbio totalmente sincronizado.
Muito bem, na primeira oportunidade esse nosso amigo começou o desafio, que engataria a 1ª a 90 KM por hora.
E fomos pra estrada, eu na F-100, com mais dois amigos e o colega do Explanda lotou o carro com o resto da turma.
Então ele foi aumentando a velocidade, chegou nos 90 por hora e tranquilamente engatou a PRIMEIRONA. Acontece que entrar a marcha era tranquilo, o que ele não sabia é que para essa molecagem, mesmo a caixa sendo sincronizada, a DUPLA EMBREAGEM devioa ser usada, para que no momento de soltar a embreagem na segunda vez, o motor estivesse com RPM compatível com o eixo piloto acoplado no disco. Não fez e soltou a embreagem com o carro a 90 por hora, e o motor na lenta.

Resultado, estourou a capa seca, o cambio voou pra um lado da estrada e o cardã para o outro..por muito pouco não capotaram o carro...e claro, o Explanda com menos de 2.000 Km rodados teve de receber carcaça de cãmbio nova, platô, disco, cruzetas e cardã...e o meu colega um ano sem dirigir....rsrs

Conto isso Milzon, para tu ter um pouco de noção do que é torque, já que nessa situação potencia não estava envolvida, pois o motor estava na lenta, apenas fez freio motor mas a acoplagem do cambio não aquentou a pancada.

Hugo, dando uma pausa nos festejos do dia, queria lhe fazer uma pergunta:

Tu levou o carro a 90km/h, provavelmente de forma normal acelerando e trocando de marcha, depois, com seu método de dupla debreagem, tu tascou a primeira, mas antes tu fez motor e caixa de marcha sincronizar as velocidades, motivo de tu não ter arrebentado o carro e teu colega sim. Muito interessante mesmo essa história.

Agora a pergunta:

Se tu colocou o motor em 1ª marcha a 90km/h, o motor foi a uma rotação altíssima, no meu carrinho virtual de experiência isso seria 14.428 RPM no motor, no teu eu não sei a rotação, mas é evidente que foi altíssima também. Eu vejo duas possibilidades: Depois da troca de marcha o motor não aguentou mais manter a rotação fora da faixa normal e fez um verdadeiro freio motor, ou por estar na 1ª marcha a quase baixíssima potência do motor, fora da faixa utilizável, ainda conseguiu manter a velocidade. Qual das duas opções ocorreu, ou como foi a experiência de estar a 90km/h em 1ª marcha?

Eu pessoalmente, com a F-100 colocava a 1ª a 80 km, não 90 que ela não alcançava na 1ª...A 90 foi o moleque, que não sei também se na marcha 1ª chegaria a 90, mas engatou porque era sincronizada, ao contrário da F-100 que ainda tinha a 1ª sem sincronismo.

Agora, tem um dado, não compare com os atuais automóveis e seus câmbios
Tanto a F-100 como o Esplanada tinham câmbio de somente 3 marchas, bastante longas entre.
Tanto a F-100 era motor V8 (Rocket, 197 HP) como o Esplanada V8 (HEMI, 217 HP)...marchas longas e diferencial longo.

Aproveito para te perguntar: Porque tu acha que teus colegas não conseguiam reduzir no tempo sem embreagem,e apenas para marcha maior?
Considere que é bem mais fácil dirigir um carro sincronizado sem embreagem do que um antigo "caixa seca" com embreagem.
Que beleza, assim sim, to gostando de ver, mas continui rsrsrs.

Torque X potência: as diferenças de rendimento

Ao comparar a evolução dos motores com o passar dos anos, percebemos que os valores de potência aumentaram a patamares jamais imaginados, como exemplo os de 1.0 litro da Fiat (veja matéria da seção Em breve, na sua oficina, da edição de abril deste ano, sobre as evoluções do motor do Uno Mille).
Vamos saber o por que de ser fácil extrair cavalos, ao contrário do torque, que está diretamente ligado a questões físicas de cilindrada, comprimento de biela, curso do virabrequim, entre outras variáveis.
Como fonte de pesquisa, utilizamos os conceitos apresentados pela instituição internacional How Stuff Works.
O que é torque?
Torque é uma força que tende a rodar ou virar objetos. Por exemplo: É gerado um torque toda vez que é aplicado força usando uma chave de boca. Apertar as porcas das rodas do carro é um bom exemplo. Quando é usada uma chave de roda, acaba por aplicar uma determinada força para girá-la. Essa força cria um torque sobre a porca, que tende a girar sobre o eixo (prisioneiro).
As unidades inglesas de medida de torque são libra-polegada ou libra-pé e a unidade do Sistema Internacional de Unidades (SI) é o Newton-metro.
As unidades de torque têm obrigatoriamente dois componentes coligados: força e distância. Para calcular o torque é preciso apenas multiplicar a força aplicada, pela distância medida entre o ponto de aplicação e o centro do eixo de rotação. No caso das porcas, se a chave tem 1 pé de comprimento e a força aplicada for de 200 libras, logo estará a gerar um torque de 200 libras-pés. Se você usar uma chave de 2 pés, precisará aplicar uma força de 100 libras para gerar o mesmo torque, e assim sucessivamente. É por isso que as borracharias utilizam chaves enormes para soltar as apertadas porcas dos caminhões.
Um motor a combustão cria torque e o usa para girar o virabrequim. Esse torque é criado exatamente da mesma maneira: uma força é aplicada à uma determinada distância.
Veja agora alguns detalhes da formação do torque, sendo que “X” é a distância horizontal de trabalho ou geração de torque:
1º Início do tempo de combustão: O pistão desce e o torque está crescente

2º Metade do tempo de combustão: O pistão continua a descer e o torque aparece plenamente (X= a distância máxima de rendimento entre munhão e moente)

3º Final do tempo de combustão: O pistão termina a descida e o torque diminui gradualmente

A combustão gerada no cilindro cria uma pressão contra a cabeça do pistão, logo essa mesma pressão cria uma força, que o empurra para baixo. A força é transmitida do pistão para a biela e dela para o virabrequim. Na Figura nº 2, note que o ponto onde a biela se liga ao virabrequim está à maior distância do centro do seu eixo. A distância horizontal muda durante a rotação do virabrequim e assim, o torque também muda, já que torque é igual a força multiplicada pela distância.
Você deve estar perguntando por que somente a distância horizontal é importante para se determinar o torque do motor. Quando o pistão está no ponto mais alto de seu ciclo, a biela se posiciona diretamente para baixo, alinhada com o centro do virabrequim. Nenhum torque é gerado nessa posição porque somente a força que atua numa alavanca perpendicular ao eixo, pode gerar torque (seria o mesmo que posicionar uma chave de roda na vertical e subir nela, ou seja, mesmo que fosse possível equilibrar-se em cima da chave, a porca não seria solta).
Nesta situação, não há como o motor gerar torque algum.

Diferenças entre unidades de medidas de torque
As unidades mais utilizadas nas oficinas Brasileiras são o kgfm (quilograma-força metro), e o Nm (Newton-metro). A unidade adotada oficialmente pelo SI (Sistema Internacional de Unidades) é o Newton-metro, correspondendo ao torque provocado por uma força de 1 Newton, exercida a uma distância de 1 metro do ponto de rotação.
O Quilograma-força é uma unidade definida como sendo a força exercida por uma massa de 1 quilograma sujeita à gravidade terrestre. É abreviada como kgf, por vezes apenas kg. Ainda que a força da gravidade varie de ponto para ponto do globo, é considerado o valor padrão de 9,80665 m/s².
Logo 1 quilograma-força metro (kgfm) = 9,80665 Nm
Ou seja, 1 Nm vale quase 10 vezes mais que a unidade de medida kgfm.
Ex: Se o motor de um automóvel entrega 10 kgfm de torque a 5.000 rpm, logo ele entregará 98,066 Nm de torque ou simplesmente 98 Nm, visto as casas depois da vírgula serem desprezíveis quando utilizada esta unidade de medida.
Curiosidades
Apesar de o Newton-metro ser dimensionalmente equivalente a um Joule (unidade do Sistema Internacional de energia e trabalho), esta é uma grandeza escalar, enquanto o momento de uma força é definido como um produto vetorial, sendo assim uma grandeza vetorial.
O quilograma-força nunca fez parte das unidades do Sistema Internacional implementado em 1960 e que possui como unidade de força o Newton. Todavia, já foi uma unidade de medida amplamente utilizada, nomeadamente na indústria aeronáutica (onde indicava a impulsão de foguetes) e automobilística. Hoje em dia ainda é usada por vezes pela Agência Espacial Europeia.
O que é potência?
Potência é a medida de quão rápido um trabalho é executado.
Ex: Usando uma alavanca, você pode gerar um torque de 200 libra-pés, mas será que conseguiria girá-la 3 mil vezes por minuto?
Logo a medida potência é utilizada como referência (e atributo de venda) no universo automotivo para automóveis leves e médios, que possuem a proposta maior de velocidade. Na linha pesada (caminhões e ônibus), o mandatório é o torque.
Podemos fazer a seguinte analogia: imagine um prédio de 20 andares, com duas caixas d’água de 15 mil litros cada. Logo a bomba d’água deverá abastecer as caixas d’água com certa rapidez. A potência pode ser comparada com a velocidade em que a água chegará nas caixas (tempo necessário para a subida). O torque pode ser comparado com a força ou volume de água em que a bomba consegue empurrar até as caixas.
Como no exemplo citado, um motor deverá ter um casamento perfeito entre as unidades torque e potência.
Motores de alto torque não podem ser forçados excessivamente no giro (RPM) devido às limitações físicas como: comprimento de bielas, curso longo do virabrequim, entre outras variáveis que poderiam chegar a ocasionar quebra. Já os motores de alto giro, entregam elevada potência com torque moderado (que estará proporcional a cilindrada), exceto no caso de motores sobrealimentados.
Ex: Um motor a diesel Caterpillar de 12 litros utilizado no caminhão C-12 de 430hp de potência entrega mais de 228 kgfm de torque a apenas 1.200 rpm, enquanto que o motor de um Ford Mustang preparado, de semelhantes 437 hp entregam “apenas” 48,9 kgfm de torque a 5.600 rpm. Isso ocorre porque a distância máxima “X” entre munhão e moente no Ford Mustang é muito menor em comparação ao motor Caterpillar.
Em compensação, o caminhão terá uma velocidade final limitada, ao contrário do veículo, que alcançará altas marcas.
Na Europa as montadoras estão a utilizar o kW (Quilowatt) como unidade de potência. Para chegar aos valores de Quilowatt, basta multiplicar o declarado em cavalo-vapor (cv) por 0,7354988.
Ex: Um veículo de 100cv terá 73,549875 kW ou simplesmente 73,5 kW.

Exemplo de caminhão equipado com motor Caterpillar C-12 que entrega alto torque a baixas rotações

Ford Mustang preparado rende potência semelhante ao motor Caterpillar, porém com rotação cerca de 4 vezes maior e torque 4 vezes menor
Bônus Oficina Brasil

Ver perfil do usuário

63 Re: A "pendenga torquiana" em Qui 29 Nov 2012, 23:08

HUGO RSRSRS.

MOSTRE PARA O ET QUE VC SABE CALCULAR rsrsrsrs.

Ver perfil do usuário

64 Re: A "pendenga torquiana" em Qui 29 Nov 2012, 23:15

h-roo


Rank : 5
Rank : 5
jonas.p.andrade escreveu:HUGO RSRSRS.

MOSTRE PARA O ET QUE VC SABE CALCULAR rsrsrsrs.

No caso das porcas, se a chave tem 1 pé de comprimento e a força aplicada for de 200 libras, logo estará a gerar um torque de 200 libras-pés. Se você usar uma chave de 2 pés, precisará aplicar uma força de 100 libras para gerar o mesmo torque, e assim sucessivamente.



Onde quer chegar com isso?
Ai acima tu não colocou nenhuma questão a ser calculada, apenas um dado já defenido e proporcional.
Ou tá querendo que eu vá alongando o comprimento da chave até chegar em Curitiba, e fazendo cálculos?...rsrs
Isso está mais para o ET, que nas masturbações mentais dele fez um motor Fiat ir a 19.000 RPM...ele certamente, com esses "princípios" vai conseguir alongar uma chave até chegar ai na tua casa...kkkkkkkkk

Não seria mais interessante tu pegar a fórmula para calcular torque (entende-la) e refazer os cálculos do ET Tanpa Zakar?
kkkkkkkkkkkkkkkkk

Ver perfil do usuário

65 Re: A "pendenga torquiana" em Qui 29 Nov 2012, 23:18

h-roo escreveu:
jonas.p.andrade escreveu:HUGO RSRSRS.

MOSTRE PARA O ET QUE VC SABE CALCULAR rsrsrsrs.

No caso das porcas, se a chave tem 1 pé de comprimento e a força aplicada for de 200 libras, logo estará a gerar um torque de 200 libras-pés. Se você usar uma chave de 2 pés, precisará aplicar uma força de 100 libras para gerar o mesmo torque, e assim sucessivamente.



Onde quer chegar com isso?
Ai acima tu não colocou nenhuma questão a ser calculada, apenas um dado já defenido e proporcional.
Ou tá querendo que eu vá alongando o comprimento da chave até chegar em Curitiba, e fazendo cálculos?...rsrs
Isso está mais para o ET, que nas masturbações mentais dele fez um motor Fiat ir a 19.000 RPM...ele certamente, com esses "princípios" vai conseguir alongar uma chave até chegar ai na tua casa...kkkkkkkkk

Não seria mais interessante tu pegar a fórmula para calcular torque (entende-la) e refazer os cálculos do ET Tanpa Zakar?
kkkkkkkkkkkkkkkkk


kkkkkkkk gostei dessa, mas me diga não quer dar uma calculadinha, sóp para acabar com a pendenga?

Ver perfil do usuário

66 Re: A "pendenga torquiana" em Qui 29 Nov 2012, 23:35

jonas.p.andrade escreveu:kkkkkkkk gostei dessa, mas me diga não quer dar uma calculadinha, sóp para acabar com a pendenga?

Jonas o cara sabe fazer o cálculo, sabia antes de mim, eu aprendi antes e durante a "pendenga torquiana" (nunca neguei isso), mas aquela conta que ele pendengou sempre esteve correta. O Hugo criou caso por mera afobação e má interpretação de texto, só que depois de meter o malho, não quis reconsiderar.

A pendenga está acabada, tu que não notou.

Tu entendeu a conta? rsrsrs

Ver perfil do usuário

67 Re: A "pendenga torquiana" em Qui 29 Nov 2012, 23:39

h-roo


Rank : 5
Rank : 5
jonas.p.andrade escreveu:
h-roo escreveu:
jonas.p.andrade escreveu:HUGO RSRSRS.

MOSTRE PARA O ET QUE VC SABE CALCULAR rsrsrsrs.

No caso das porcas, se a chave tem 1 pé de comprimento e a força aplicada for de 200 libras, logo estará a gerar um torque de 200 libras-pés. Se você usar uma chave de 2 pés, precisará aplicar uma força de 100 libras para gerar o mesmo torque, e assim sucessivamente.



Onde quer chegar com isso?
Ai acima tu não colocou nenhuma questão a ser calculada, apenas um dado já defenido e proporcional.
Ou tá querendo que eu vá alongando o comprimento da chave até chegar em Curitiba, e fazendo cálculos?...rsrs
Isso está mais para o ET, que nas masturbações mentais dele fez um motor Fiat ir a 19.000 RPM...ele certamente, com esses "princípios" vai conseguir alongar uma chave até chegar ai na tua casa...kkkkkkkkk

Não seria mais interessante tu pegar a fórmula para calcular torque (entende-la) e refazer os cálculos do ET Tanpa Zakar?
kkkkkkkkkkkkkkkkk


kkkkkkkk gostei dessa, mas me diga não quer dar uma calculadinha, sóp para acabar com a pendenga?

Tu tem de dizer o que não disse até agora: O que quer calcular?...rsrs
Tu é outro que tá perdido?...kkkkkkkkkkk

Ver perfil do usuário

68 Re: A "pendenga torquiana" em Qui 29 Nov 2012, 23:43

h-roo escreveu:...Agora, tem um dado, não compare com os atuais automóveis e seus câmbios
Tanto a F-100 como o Esplanada tinham câmbio de somente 3 marchas, bastante longas entre.
Tanto a F-100 era motor V8 (Rocket, 197 HP) como o Esplanada V8 (HEMI, 217 HP)...marchas longas de câmbio longo.

Aproveito para te perguntar: Porque tu acha que teus colegas não conseguiam reduzir no tempo sem embreagem,e apenas para marcha maior?
Considere que é bem mais fácil dirigir um carro sincronizado sem embreagem do que um antigo "caixa seca" com embreagem.

Hugo, junte a essa informação a informação de quanto tu foi a mais na rotação desse motor nessa brincadeira, só para termos a dimensão do que tu fez. No meu carro virtual de testes, poderia fazer isso pelo menos até a 2ª marcha?

Quanto a passar marcha no tempo para cima, eu fazia em um chevette (escondido porque não sei dirigir), realmente é fácil pegar o geito. Eu nunca consegui reduzir por não fazer algo parecido com o que tu fez na dupla debreagem, que foi compatibilizar as velocidades de tudo dentro da caixa de marcha e do motor. Eu imagino que se eu tivesse acelerado e tentasse a redução iria dar certo.

Ver perfil do usuário

69 Re: A "pendenga torquiana" em Qui 29 Nov 2012, 23:45

ET-e-HHO-existe escreveu:
jonas.p.andrade escreveu:kkkkkkkk gostei dessa, mas me diga não quer dar uma calculadinha, sóp para acabar com a pendenga?

Jonas o cara sabe fazer o cálculo, sabia antes de mim, eu aprendi antes e durante a "pendenga torquiana" (nunca neguei isso), mas aquela conta que ele pendengou sempre esteve correta. O Hugo criou caso por mera afobação e má interpretação de texto, só que depois de meter o malho, não quis reconsiderar.

A pendenga está acabada, tu que não notou.

Tu entendeu a conta? rsrsrs


Et, sou meramente um espectador, gostei da sua humildade, com a prensa do hugo vc correu atras para se corrigir, mas no andar da carruagem vc percebeu que o Hugo estava simplesmente tirando uma contigo, e vc entrou nessa, o cara é um grande gozador não percebeu isso? quanto mais brabo você fica mais ele te cutuca, kkkkkkkkkkkkkk

uma certa ocasião chegou em minha casa um certo sujeito se fingindo de tonto, com uma prancheta ele disse que estava fazendo uma pesquisa, percebi logo de cara que o sujeito era um vendedor tremendo cara de pau, fui dando corda só para ver saté que ponto ele queria chegar, especulou varias coisas, ex: quantas pessoas moravam na casa, se tinha crianças, se estavamos contente com o bairro, qual era o grau de instrução da familia bla-bla-bla, fui dando corda pro sujeito, mas me arrempendi, pois ele achava que estava que eu tinha entrado na dele, mas quando eu disse para ele, vamos direto ao assunto, que pproduto vc esta vendendo, ou oque você pretende vender para mim, é livro ou algum carne?

O cara ficou puto da vida comigo.
O Hugo joga duvidas para vc entrar na dele, ele é um cara muito esperto, é o lobo mal querendo comer a vovózinha ....



Última edição por jonas.p.andrade em Qui 29 Nov 2012, 23:54, editado 1 vez(es)

Ver perfil do usuário

70 Re: A "pendenga torquiana" em Qui 29 Nov 2012, 23:52

jonas.p.andrade escreveu:
ET-e-HHO-existe escreveu:
jonas.p.andrade escreveu:kkkkkkkk gostei dessa, mas me diga não quer dar uma calculadinha, sóp para acabar com a pendenga?

Jonas o cara sabe fazer o cálculo, sabia antes de mim, eu aprendi antes e durante a "pendenga torquiana" (nunca neguei isso), mas aquela conta que ele pendengou sempre esteve correta. O Hugo criou caso por mera afobação e má interpretação de texto, só que depois de meter o malho, não quis reconsiderar.

A pendenga está acabada, tu que não notou.

Tu entendeu a conta? rsrsrs


Et, sou meramente um espectador, gostei da sua humildade, com a prensa do hugo vc correu atras para se corrigir, mas no andar da carruagem vc percebeu que o Hugo estava simplesmente tirando uma contigo, e vc entrou nessa, o cara é um grande gozador não percebeu isso? quanto mais brabo você fica mais ele te cutuca, kkkkkkkkkkkkkk

Uma pequena correção: Eu não me corrigi porque não foi necessário. A conta que incomodou o Hugo sempre esteve certa e eu não mudei ela. Contudo meu conhecimento do assunto aumentou no processo, isso que realmente me move.

Pede para o Hugo refazer a conta da discordia e ele dira que não pode, não pode porque vai fazer igual a minha. Como disse: "para quem sabe ler um pingo é letra". Ele sabe que eu não calculei errado, sabe que se precipitou e intuiu coisas por não se dar ao trabalho de ler com atenção.

Ver perfil do usuário

71 Re: A "pendenga torquiana" em Qui 29 Nov 2012, 23:58

h-roo


Rank : 5
Rank : 5
ET-e-HHO-existe escreveu:
h-roo escreveu:...Agora, tem um dado, não compare com os atuais automóveis e seus câmbios
Tanto a F-100 como o Esplanada tinham câmbio de somente 3 marchas, bastante longas entre.
Tanto a F-100 era motor V8 (Rocket, 197 HP) como o Esplanada V8 (HEMI, 217 HP)...marchas longas de câmbio longo.

Aproveito para te perguntar: Porque tu acha que teus colegas não conseguiam reduzir no tempo sem embreagem,e apenas para marcha maior?
Considere que é bem mais fácil dirigir um carro sincronizado sem embreagem do que um antigo "caixa seca" com embreagem.

Hugo, junte a essa informação a informação de quanto tu foi a mais na rotação desse motor nessa brincadeira, só para termos a dimensão do que tu fez. No meu carro virtual de testes, poderia fazer isso pelo menos até a 2ª marcha?

Quanto a passar marcha no tempo para cima, eu fazia em um chevette (escondido porque não sei dirigir), realmente é fácil pegar o geito. Eu nunca consegui reduzir por não fazer algo parecido com o que tu fez na dupla debreagem, que foi compatibilizar as velocidades de tudo dentro da caixa de marcha e do motor. Eu imagino que se eu tivesse acelerado e tentasse a redução iria dar certo.

O Chevette, se ainda era o com cãmbio alemão importado era uma delicia. Era por nos chamado de "cãmbio de manteiga"...o mesmo câmbio mais tarde usado no Doginho Polara. Cambiava com dois dedos, tão macio que era.

Sim, devo de ter ultrapassado um pouco a RPM de segurança, mas não tem como fazer idéia, naquele tempo não tinha relogio de RPM nos carros...tinha que fazer as molecagens por ouvido e prática. geralmente só fazia quem vinha do aprendizado com "caixa seca".

Teus amigos subiam marcha pra cima sem embreagem porque nessa condição o motor se sincroniza automáticamente ao cair o RPM entre mudanças, ao contrário de baixar marcha, que tu tem se acelelra na medida exata...ai o bixo pega, não é pra principiante...

Mais vai lendo e apreendendo, no dia que aprender a dirigir já vai ter pelos menos a teoria.

Ver perfil do usuário

72 Re: A "pendenga torquiana" em Qui 29 Nov 2012, 23:58

uma certa ocasião chegou em minha casa um certo sujeito se fingindo de tonto, com uma prancheta ele disse que estava fazendo uma pesquisa, percebi logo de cara que o sujeito era um vendedor tremendo cara de pau, fui dando corda só para ver saté que ponto ele queria chegar, especulou varias coisas, ex: quantas pessoas moravam na casa, se tinha crianças, se estavamos contente com o bairro, qual era o grau de instrução da familia bla-bla-bla, fui dando corda pro sujeito, mas me arrempendi, pois ele achava que estava que eu tinha entrado na dele, mas quando eu disse para ele, vamos direto ao assunto, que pproduto vc esta vendendo, ou oque você pretende vender para mim, é livro ou algum carne?

O cara ficou puto da vida comigo.
O Hugo joga duvidas para vc entrar na dele, ele é um cara muito esperto, é o lobo mal querendo comer a vovózinha ....

Ver perfil do usuário

73 Re: A "pendenga torquiana" em Sex 30 Nov 2012, 00:05

Jonas, tu indicou essa matéria duas vezes. O que tu quer dizer com ela? Eu não entendi o que tu quer dizer, a matéria sim.

Outra pergunta, tu entende bem o que é torque e potência? Não é obrigatório, eu pouco sabia a um tempo atrás.


jonas.p.andrade escreveu:
h-roo escreveu:
jonas.p.andrade escreveu:
h-roo escreveu:
ET-e-HHO-existe escreveu:
h-roo escreveu:Milzon
Tu tens todos os dados para refazer teus cálculos, portanto encerro minha implicancia contigo.

Mas antes vou te contar uma história, e tenho certeza que vais aprender mais umas coisinhas.

Comecemos pela chamada CAIXA SECA, que tenho certeza, pela idade de todos aqui, que ninguem nunca dirigiu um carro ou caminhão com esse tipo de CAIXA, e possivelmente nunca tenham ouvido falar.
É o seguinte, as CAIXAS de mudaça antigamente não SINCRONIZAVAM a RPM do motor com a rotação que vinha das rodas...então era necessario fazer a DUPLA EMBREAGEM...ou seja, para reduzir a marcha, DEBREAVA-SE, jogava para PONTO MORTO, acelerava-se o motor acima da RPM da marcha anterior e DEBREAVA-SE novamente para engatar a marcha menor. Se não fizesse isso raspava as duas engrenagens do cãmbio e não entrava a marcha. Tinha caso do pessoal simplesmente arrancar dente fora. Hoje, com os cambios com SINCRONIZADORES qualquer um dirige, naquela época tinha que ter exata noção de como a coisa funcionava. E um bom motorista de um FNM, quando ia dirigir um caminhão Mercedes saia fazendo barbeiragens. E a brincadeira era dizermos pro cara: "..Um dia vão inventar um câmbio com engrenagem de borracha pra voce..."...acabaram inventando os sincronizadores.

Bem, seguindo...quando surgiram os sincronizadores, nos primeiros "novos" câmbios, a 1ª não era sincronizada, pois normalmente só usava engatar para sair, ou seja, parado, na lenta. Ai quando surgiu a F-100 da Ford, a 1ª não era sincronizada. Eu tinha uma nessa época em que vou agora contar a parte interessante.
Com os carros de cambio sincronizado, todo mundo passou a se "ACHAR" motorista. Eu e mais alguns que tinham apreendido lá atrás então diziamos para os "ACHENTOS": "Quero ver tu engatar uma 1ª a 80 km por hora...e eu fazia isso na F-100 com a maior tranquilidade, com DUPLA embreagem, como acima descrito.
Os novatos iam fazer e só dava engrenagem raspando e não conseguiam...com o tempo claro, aprendiam.

Mas agora vem o hilário da história. Surge o Simca Chambord e o Simca Explanada, um luxo de carro, o primeiro com a 1ª marcha também sincronizada.
O pai de um amigo meu na época, Capitão do Exército, comprou um Explanada...nos não sabiamos que tinha o câmbio totalmente sincronizado.
Muito bem, na primeira oportunidade esse nosso amigo começou o desafio, que engataria a 1ª a 90 KM por hora.
E fomos pra estrada, eu na F-100, com mais dois amigos e o colega do Explanda lotou o carro com o resto da turma.
Então ele foi aumentando a velocidade, chegou nos 90 por hora e tranquilamente engatou a PRIMEIRONA. Acontece que entrar a marcha era tranquilo, o que ele não sabia é que para essa molecagem, mesmo a caixa sendo sincronizada, a DUPLA EMBREAGEM devioa ser usada, para que no momento de soltar a embreagem na segunda vez, o motor estivesse com RPM compatível com o eixo piloto acoplado no disco. Não fez e soltou a embreagem com o carro a 90 por hora, e o motor na lenta.

Resultado, estourou a capa seca, o cambio voou pra um lado da estrada e o cardã para o outro..por muito pouco não capotaram o carro...e claro, o Explanda com menos de 2.000 Km rodados teve de receber carcaça de cãmbio nova, platô, disco, cruzetas e cardã...e o meu colega um ano sem dirigir....rsrs

Conto isso Milzon, para tu ter um pouco de noção do que é torque, já que nessa situação potencia não estava envolvida, pois o motor estava na lenta, apenas fez freio motor mas a acoplagem do cambio não aquentou a pancada.

Hugo, dando uma pausa nos festejos do dia, queria lhe fazer uma pergunta:

Tu levou o carro a 90km/h, provavelmente de forma normal acelerando e trocando de marcha, depois, com seu método de dupla debreagem, tu tascou a primeira, mas antes tu fez motor e caixa de marcha sincronizar as velocidades, motivo de tu não ter arrebentado o carro e teu colega sim. Muito interessante mesmo essa história.

Agora a pergunta:

Se tu colocou o motor em 1ª marcha a 90km/h, o motor foi a uma rotação altíssima, no meu carrinho virtual de experiência isso seria 14.428 RPM no motor, no teu eu não sei a rotação, mas é evidente que foi altíssima também. Eu vejo duas possibilidades: Depois da troca de marcha o motor não aguentou mais manter a rotação fora da faixa normal e fez um verdadeiro freio motor, ou por estar na 1ª marcha a quase baixíssima potência do motor, fora da faixa utilizável, ainda conseguiu manter a velocidade. Qual das duas opções ocorreu, ou como foi a experiência de estar a 90km/h em 1ª marcha?

Eu pessoalmente, com a F-100 colocava a 1ª a 80 km, não 90 que ela não alcançava na 1ª...A 90 foi o moleque, que não sei também se na marcha 1ª chegaria a 90, mas engatou porque era sincronizada, ao contrário da F-100 que ainda tinha a 1ª sem sincronismo.

Agora, tem um dado, não compare com os atuais automóveis e seus câmbios
Tanto a F-100 como o Esplanada tinham câmbio de somente 3 marchas, bastante longas entre.
Tanto a F-100 era motor V8 (Rocket, 197 HP) como o Esplanada V8 (HEMI, 217 HP)...marchas longas e diferencial longo.

Aproveito para te perguntar: Porque tu acha que teus colegas não conseguiam reduzir no tempo sem embreagem,e apenas para marcha maior?
Considere que é bem mais fácil dirigir um carro sincronizado sem embreagem do que um antigo "caixa seca" com embreagem.
Que beleza, assim sim, to gostando de ver, mas continui rsrsrs.

Torque X potência: as diferenças de rendimento

Ao comparar a evolução dos motores com o passar dos anos, percebemos que os valores de potência aumentaram a patamares jamais imaginados, como exemplo os de 1.0 litro da Fiat (veja matéria da seção Em breve, na sua oficina, da edição de abril deste ano, sobre as evoluções do motor do Uno Mille).
Vamos saber o por que de ser fácil extrair cavalos, ao contrário do torque, que está diretamente ligado a questões físicas de cilindrada, comprimento de biela, curso do virabrequim, entre outras variáveis.
Como fonte de pesquisa, utilizamos os conceitos apresentados pela instituição internacional How Stuff Works.
O que é torque?
Torque é uma força que tende a rodar ou virar objetos. Por exemplo: É gerado um torque toda vez que é aplicado força usando uma chave de boca. Apertar as porcas das rodas do carro é um bom exemplo. Quando é usada uma chave de roda, acaba por aplicar uma determinada força para girá-la. Essa força cria um torque sobre a porca, que tende a girar sobre o eixo (prisioneiro).
As unidades inglesas de medida de torque são libra-polegada ou libra-pé e a unidade do Sistema Internacional de Unidades (SI) é o Newton-metro.
As unidades de torque têm obrigatoriamente dois componentes coligados: força e distância. Para calcular o torque é preciso apenas multiplicar a força aplicada, pela distância medida entre o ponto de aplicação e o centro do eixo de rotação. No caso das porcas, se a chave tem 1 pé de comprimento e a força aplicada for de 200 libras, logo estará a gerar um torque de 200 libras-pés. Se você usar uma chave de 2 pés, precisará aplicar uma força de 100 libras para gerar o mesmo torque, e assim sucessivamente. É por isso que as borracharias utilizam chaves enormes para soltar as apertadas porcas dos caminhões.
Um motor a combustão cria torque e o usa para girar o virabrequim. Esse torque é criado exatamente da mesma maneira: uma força é aplicada à uma determinada distância.
Veja agora alguns detalhes da formação do torque, sendo que “X” é a distância horizontal de trabalho ou geração de torque:
1º Início do tempo de combustão: O pistão desce e o torque está crescente

2º Metade do tempo de combustão: O pistão continua a descer e o torque aparece plenamente (X= a distância máxima de rendimento entre munhão e moente)

3º Final do tempo de combustão: O pistão termina a descida e o torque diminui gradualmente

A combustão gerada no cilindro cria uma pressão contra a cabeça do pistão, logo essa mesma pressão cria uma força, que o empurra para baixo. A força é transmitida do pistão para a biela e dela para o virabrequim. Na Figura nº 2, note que o ponto onde a biela se liga ao virabrequim está à maior distância do centro do seu eixo. A distância horizontal muda durante a rotação do virabrequim e assim, o torque também muda, já que torque é igual a força multiplicada pela distância.
Você deve estar perguntando por que somente a distância horizontal é importante para se determinar o torque do motor. Quando o pistão está no ponto mais alto de seu ciclo, a biela se posiciona diretamente para baixo, alinhada com o centro do virabrequim. Nenhum torque é gerado nessa posição porque somente a força que atua numa alavanca perpendicular ao eixo, pode gerar torque (seria o mesmo que posicionar uma chave de roda na vertical e subir nela, ou seja, mesmo que fosse possível equilibrar-se em cima da chave, a porca não seria solta).
Nesta situação, não há como o motor gerar torque algum.

Diferenças entre unidades de medidas de torque
As unidades mais utilizadas nas oficinas Brasileiras são o kgfm (quilograma-força metro), e o Nm (Newton-metro). A unidade adotada oficialmente pelo SI (Sistema Internacional de Unidades) é o Newton-metro, correspondendo ao torque provocado por uma força de 1 Newton, exercida a uma distância de 1 metro do ponto de rotação.
O Quilograma-força é uma unidade definida como sendo a força exercida por uma massa de 1 quilograma sujeita à gravidade terrestre. É abreviada como kgf, por vezes apenas kg. Ainda que a força da gravidade varie de ponto para ponto do globo, é considerado o valor padrão de 9,80665 m/s².
Logo 1 quilograma-força metro (kgfm) = 9,80665 Nm
Ou seja, 1 Nm vale quase 10 vezes mais que a unidade de medida kgfm.
Ex: Se o motor de um automóvel entrega 10 kgfm de torque a 5.000 rpm, logo ele entregará 98,066 Nm de torque ou simplesmente 98 Nm, visto as casas depois da vírgula serem desprezíveis quando utilizada esta unidade de medida.
Curiosidades
Apesar de o Newton-metro ser dimensionalmente equivalente a um Joule (unidade do Sistema Internacional de energia e trabalho), esta é uma grandeza escalar, enquanto o momento de uma força é definido como um produto vetorial, sendo assim uma grandeza vetorial.
O quilograma-força nunca fez parte das unidades do Sistema Internacional implementado em 1960 e que possui como unidade de força o Newton. Todavia, já foi uma unidade de medida amplamente utilizada, nomeadamente na indústria aeronáutica (onde indicava a impulsão de foguetes) e automobilística. Hoje em dia ainda é usada por vezes pela Agência Espacial Europeia.
O que é potência?
Potência é a medida de quão rápido um trabalho é executado.
Ex: Usando uma alavanca, você pode gerar um torque de 200 libra-pés, mas será que conseguiria girá-la 3 mil vezes por minuto?
Logo a medida potência é utilizada como referência (e atributo de venda) no universo automotivo para automóveis leves e médios, que possuem a proposta maior de velocidade. Na linha pesada (caminhões e ônibus), o mandatório é o torque.
Podemos fazer a seguinte analogia: imagine um prédio de 20 andares, com duas caixas d’água de 15 mil litros cada. Logo a bomba d’água deverá abastecer as caixas d’água com certa rapidez. A potência pode ser comparada com a velocidade em que a água chegará nas caixas (tempo necessário para a subida). O torque pode ser comparado com a força ou volume de água em que a bomba consegue empurrar até as caixas.
Como no exemplo citado, um motor deverá ter um casamento perfeito entre as unidades torque e potência.
Motores de alto torque não podem ser forçados excessivamente no giro (RPM) devido às limitações físicas como: comprimento de bielas, curso longo do virabrequim, entre outras variáveis que poderiam chegar a ocasionar quebra. Já os motores de alto giro, entregam elevada potência com torque moderado (que estará proporcional a cilindrada), exceto no caso de motores sobrealimentados.
Ex: Um motor a diesel Caterpillar de 12 litros utilizado no caminhão C-12 de 430hp de potência entrega mais de 228 kgfm de torque a apenas 1.200 rpm, enquanto que o motor de um Ford Mustang preparado, de semelhantes 437 hp entregam “apenas” 48,9 kgfm de torque a 5.600 rpm. Isso ocorre porque a distância máxima “X” entre munhão e moente no Ford Mustang é muito menor em comparação ao motor Caterpillar.
Em compensação, o caminhão terá uma velocidade final limitada, ao contrário do veículo, que alcançará altas marcas.
Na Europa as montadoras estão a utilizar o kW (Quilowatt) como unidade de potência. Para chegar aos valores de Quilowatt, basta multiplicar o declarado em cavalo-vapor (cv) por 0,7354988.
Ex: Um veículo de 100cv terá 73,549875 kW ou simplesmente 73,5 kW.

Exemplo de caminhão equipado com motor Caterpillar C-12 que entrega alto torque a baixas rotações

Ford Mustang preparado rende potência semelhante ao motor Caterpillar, porém com rotação cerca de 4 vezes maior e torque 4 vezes menor
Bônus Oficina Brasil

Ver perfil do usuário

74 Re: A "pendenga torquiana" em Sex 30 Nov 2012, 00:09

h-roo escreveu:
ET-e-HHO-existe escreveu:
h-roo escreveu:...Agora, tem um dado, não compare com os atuais automóveis e seus câmbios
Tanto a F-100 como o Esplanada tinham câmbio de somente 3 marchas, bastante longas entre.
Tanto a F-100 era motor V8 (Rocket, 197 HP) como o Esplanada V8 (HEMI, 217 HP)...marchas longas de câmbio longo.

Aproveito para te perguntar: Porque tu acha que teus colegas não conseguiam reduzir no tempo sem embreagem,e apenas para marcha maior?
Considere que é bem mais fácil dirigir um carro sincronizado sem embreagem do que um antigo "caixa seca" com embreagem.

Hugo, junte a essa informação a informação de quanto tu foi a mais na rotação desse motor nessa brincadeira, só para termos a dimensão do que tu fez. No meu carro virtual de testes, poderia fazer isso pelo menos até a 2ª marcha?

Quanto a passar marcha no tempo para cima, eu fazia em um chevette (escondido porque não sei dirigir), realmente é fácil pegar o geito. Eu nunca consegui reduzir por não fazer algo parecido com o que tu fez na dupla debreagem, que foi compatibilizar as velocidades de tudo dentro da caixa de marcha e do motor. Eu imagino que se eu tivesse acelerado e tentasse a redução iria dar certo.

O Chevette, se ainda era o com cãmbio alemão importado era uma delicia. Era por nos chamado de "cãmbio de manteiga"...o mesmo câmbio mais tarde usado no Doginho Polara. Cambiava com dois dedos, tão macio que era.

Sim, devo de ter ultrapassado um pouco a RPM de segurança, mas não tem como fazer idéia, naquele tempo não tinha relogio de RPM nos carros...tinha que fazer as molecagens por ouvido e prática. geralmente só fazia quem vinha do aprendizado com "caixa seca".

Teus amigos subiam marcha pra cima sem embreagem porque nessa condição o motor se sincroniza automáticamente ao cair o RPM entre mudanças, ao contrário de baixar marcha, que tu tem se acelelra na medida exata...ai o bixo pega, não é pra principiante...

Mais vai lendo e apreendendo, no dia que aprender a dirigir já vai ter pelos menos a teoria.

Hugo eu tralhei em uma pedreira na duplicação da br 116 na altura da represa capivari, fazia manutenção na parte hidráulica dos FNM, CONHECIDO COMO CARA CHATA, após a manutenção fazíamos os teste carregando na pedreira e levando para p britador, esses canhões tinham marchas reduzidas que tinha que ser cruzadas, muitos motorista não conseguiam dirigir esses tipos de caminhões devido serem caixa seca etc...

Ver perfil do usuário

75 Re: A "pendenga torquiana" em Sex 30 Nov 2012, 00:11

h-roo


Rank : 5
Rank : 5
Jonas
Tu lembra lá naquela margem de pescaria que desbarrancou, uma vez o Milzon Tavares (sim, o atual ET-Tanpa Zakar)começou a calcular o custo das moléculas do HHO pra comparar com o custo das moleculas da gasolina, e acabou se perdendo nas vírgulas dos cálculos dele,entre centavos e centésimos e eu questionei, ele teimou igual agora. Até que chegou um momento que ele, ou caiu a ficha ou teve humildade e acabou admitindo que estava errado. Ai começou a meter mensagem linguiceira pra deixar a cagada pra tras, igual faz aqui agora.
Mas o mais interessante que ele me pediu: "..Hugo, manda mensagem ai pra virar a página e sumir com os centavos, eu realmente tenho dificuldade com as vírgulas..".

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Ver perfil do usuário

76 Re: A "pendenga torquiana" Hoje à(s) 01:01

Conteúdo patrocinado


Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo  Mensagem [Página 3 de 19]

Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4 ... 11 ... 19  Seguinte

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum