Para quem quer poupar combustivel !


Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

HHO no dinamômetro

Ir à página : Anterior  1 ... 7 ... 11, 12, 13, 14, 15  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo  Mensagem [Página 12 de 15]

276 Re: HHO no dinamômetro em Dom 27 Out 2013, 14:17

Agora, quando tu achar que seus especialistas são uns merdas e que precisa de gente de fora, saiba que os especialistas de fora sabem bem menos que os teus, pelo menos quando a assunto é a sua empresa da qual ele estão cansados de conhecer.

Sabe porque seus especialistas levam banho do especialista dos outros, vindos a peso de ouro? Porque seus bostinhas estão com medo de perder o emprego, porque tu não valoriza eles e os deixa inseguros, depois acha que uma empresa pomposa, que tu paga para te ajudar, realmente tem especialistas melhores que os teus. Esse é o erro que tu já fez ou ainda vai fazer como empresário.

Ver perfil do usuário

277 Re: HHO no dinamômetro em Dom 27 Out 2013, 14:27

jonas.p.andrade escreveu:
ET-e-HHO-existe escreveu:Ai, quem quer ver um filme legal: "Gravidade"

Uma situação gravíssima e de resultado mortal, onde astronautas deveriam enfrentar a morte certa. Não vou contar como termina, mas na vida real, uma vez algo de gravidade semelhante aconteceu e todos se salvaram. Também virou um filme - "Apollo 13" - Se "Apollo 13" foi real, então "Gravidade" poderia ser.
Acabei de assistir gravidade, muito bom Et, obrigado pela dica.
Aquela hora que ela alucina e vê o cara batendo na janela da capsula pedindo para entrar, aquilo foi demais, me deu raiva, melhor deixar o cara morto que salva-lo daquele jeito, mas depois explica que foi apenas alucinação, ou o fantasma dele.

Ver perfil do usuário

278 Re: HHO no dinamômetro em Dom 27 Out 2013, 14:30

ET-e-HHO-existe escreveu:
h-roo escreveu:Passou batido Jonas...a mãe Diná do fórum é o ET...não viu lá atrás que a "mãe Diná" falou que o patrão dela/e paga 10 x mais do que eu pago para os meus "especialistas"?...então, como nunca falei o que pago, só a "mãe Diná" pra saber....kkkkkkkkkkkkkk
Vou ter que repetir para o velhinho entender:

Meu patrão cobrava pela minha hora, aos clientes incautos que pensavam que eu era um grande especialista, o suficiente para juntar, em um dia, o que ele iria me pagar no fim do mês como salário. Pagava pela minha hora, ao meu patrão, umas 10x mais do que o cliente paga pela hora do especialista dele.

Entendeu? Tu já deu essa mancada Hugo? Acreditou nos MIB engravatados? (O Hugo nem sabe quem são os MIB)

Como patrão tu deve entender isso, o funcionário rende uma grana preta para tu dar a ele o irrisório salario que ele custa no fim do mês.

Sacanagens do capitalismo, mas mesmo assim ele me ensinou a não ter medo de uma tarefa que não conheço e a enfrentar especialistas que não sabem bem o tamanho do poder que tem, ou deveriam ter. Essa foi a grande lição, como sempre, eu dar voltas em especialistas como o pietro (com "p" minusculo). Outra lição, não deixar os outros agenciarem o meu trabalho.
Resumindo, quem tem inteligencia e um pouco mais de massa cinzenta e espirito de liderança manda, quem vive na dependência dos outros para sobreviver obedece.

Ver perfil do usuário

279 Re: HHO no dinamômetro em Dom 27 Out 2013, 14:32

ET-e-HHO-existe escreveu:
jonas.p.andrade escreveu:
ET-e-HHO-existe escreveu:Ai, quem quer ver um filme legal: "Gravidade"

Uma situação gravíssima e de resultado mortal, onde astronautas deveriam enfrentar a morte certa. Não vou contar como termina, mas na vida real, uma vez algo de gravidade semelhante aconteceu e todos se salvaram. Também virou um filme - "Apollo 13" - Se "Apollo 13" foi real, então "Gravidade" poderia ser.
Acabei de assistir gravidade, muito bom Et, obrigado pela dica.
Aquela hora que ela alucina e vê o cara batendo na janela da capsula pedindo para entrar, aquilo foi demais, me deu raiva, melhor deixar o cara morto que salva-lo daquele jeito, mas depois explica que foi apenas alucinação, ou o fantasma dele.
Segundo o Guru galático, é o esprito do astronauta vagando esperando para reencarnar em corpo de uma bela donzela rsrsrsrs.

Ver perfil do usuário

280 Re: HHO no dinamômetro em Dom 27 Out 2013, 15:17

jonas.p.andrade escreveu:Resumindo, quem tem inteligencia e um pouco mais de massa cinzenta e espirito de  liderança manda, quem vive na dependência dos outros para sobreviver obedece.

Isso em vários níveis e consequências.

O líder que montou uma equipe, mas depois deixou de acreditar nela, fazendo-a se sentir impotente, agora contrata um empresa estrangeira, a peso de ouro, para obedecer. Deveria se perguntar se ele chegou ali pedindo licença e aguardando os outros darem uma chance, gentilmente.

O funcionário, que sabe se virar, é líder em descobrir como resolver uma situação, atropelando até pessoas notadamente mais capacitadas que ele, porque se tornar subalterno e escravo de um burocrata que só sabe desvalorizar seu trabalho?

O meu patrão (chefe) era tudo menos um burocrata, era muito esperto, ele era um dos poucos especialistas do lugar ou me convenceu disso (eu acho que é mais essa última opção), ele sabia valorizar meu trabalho, só que esquecia de repetir a valorização na hora de pagar o meu salário, muito esperto da parte dele. O patrão dele, o dono, herdeiro da empresa, esse sim era "o cara", pois colocava até o meu patrão no bolso.

Ver perfil do usuário

281 Re: HHO no dinamômetro em Dom 27 Out 2013, 15:27

Resumindo essa história Jonas, a não ser na hora de uma auto medicação, pois saúde é coisa séria, não devemos dar tanta reverencia aos especialistas, devemos nos impor a eles e fazerem eles suarem e provarem que realmente são mais capazes que nós, senão não vale o dinheiro gasto em contrata-los.

Num fórum, numa conversa besta de velhinhos na praça do bairro ou da cidade, não dá para se curvar diante de quem diz que sabe tudo, faça o cara suar e provar o que diz.

Claro que para não passar por bobo, tu tem que se informar, tentar entender e até aprender, não precisa fazer um curso universitário, apenas aprenda a parte que interessa, uns 20% tu já começa a dar nó nos especialistas. Se tu encontrar um cara bom mesmo que não dá para tu botar no bolso, ai ele, irritado com sua petulância, desconfiado que tu sabe menos do que diz, acaba te entregando o ouro e te explicando o que normalmente não diria para um leigo.

Eu não sou químico para entender de eletrólise, fazer um gerador de oxi-hidrogênio é fácil, se der sorte de fazer direito de primeira melhor ainda, mas entender realmente o que se está fazendo é coisa que até químicos discutem até hoje. Por isso continuo brincando com minhas seringas.

No intervalo, sempre estou pronto para um engenheiro metido a besta e que acha que tem a última palavra em tudo, ou um químico mesmo. Apresentar diplomas não me impressiona mais. N nem mesmo se for um diploma da universidade galáctica!

Ver perfil do usuário

282 Re: HHO no dinamômetro em Dom 27 Out 2013, 19:17

h-roo


Rank : 5
Rank : 5
Mas báh tchê, barbaridade !!!!!! ....kkkkkkkkkkkkk

ET/Mãe Diná, vou te explicar como a coisa funciona aqui, pra tu não ficar chutando pra linha de fundo.

Primeiro, não tenho funcionários, tenho parceiros de trabalho.
Não os tenho como funcionários.
A remuneração deles é a mesma minha.
Tiradas todas as despesas, luz, energia, impostos e o "escambau", 30% do lucro
é capitalizado e 70% é divido entre 6...eu, meu parceiro mor e mais 4
parceiros. Portanto, e ai está o pulo do gato, se eles não derem conta do
trabalho, mais uma ou duas pessoas serão chamadas, para dividir os mesmos
70%...então eles dão o máximo para produzir e com perfeição, pois serviço
que precisa ser refeito dá prejuízo.
E mais, tudo fazem para aprender cada vez mais, inclusive a função do outro
companheiro, se tornam "faz tudo", e não "especialistas".

Aprendi isso com meu pai, só que fui além, vou explicar:

Meu pai, além do salário que pagava a seus funcionários de lavoura, que era o mesmo que outros
empresários do agronegócio pagavam, reservava 3% do faturamento bruto para dividir entre os
funcionários. E 3% de +- 2.000 hectares de lavoura dava uma boa grana no fim de cada colheita (2 por ano).
Então a mesma coisa acontecia, eles preferiam dividir os 3% por 10 e não por 15, de maneira que o trabalho
deles rendia mais que rendia o trabalho dos funcionários dos outros plantadores. Mas tinha mais, pois uma coisa era fazer o trabalho, outra é faze-lo com perfeição, de maneira que do lucro final, mais 5% eram distribuídos aos funcionários, para que eles tivessem não só a tarefa, mas também o lucro como objetivo.

Quando eu por 4 anos tive uma mineradora de ouro em Cuiabá, tive 5 funcionários por todos os 4
anos, quando outras mineradoras, primeiro, precisavam 6 a 7 funcionários para fazer o mesmo serviço, além de sempre terem alta rotatividade (comum nas mineradoras), as vezes trabalhavam com 3 ou 4, até conseguirem repor a mão de obra. De maneira que minha produção sempre foi uniforme durante a semana, moia em torno de
40 cargas de caminhão caçamba por dia.

Porque eu mantive os 5 durante 4 anos, e outros não conseguiam isso?...Simples.
Primeiro, acomodações decentes e confortáveis, para um merecido descanso.
Segundo, 5 refeições diárias, pois eram 10 a 12 horas trabalhadas por dia.
E ai entrava o grande diferencial, pois eu pagava as horas extras, que outros não pagavam,
além de a cada fim de semana dar um extra, de acordo com o resultado do ouro extraído,
Como a alimentação do moinho era feito através do jato d água de alta pressão no material
a ser introduzido, e isso deve ter regularidade uniforme, muita atenção, de maneira que eles sabiam que
se não o fizessem, fim de semana o EXTRA minguava.
Em comparação com outros mineradores (sempre haviam 4 ou 5 moinhos na mesma área), eu
moia mais durante a semana, com rendimento ouro/carga maior.

Eu chamo essa prática como capitalismo social, mas com foco mais no social.

Entendeu?

Mais tarde volto para falar sobre o Vaporeto, vou dar algumas informações.

Ver perfil do usuário

283 Re: HHO no dinamômetro em Dom 27 Out 2013, 21:23

h-roo


Rank : 5
Rank : 5
Como hoje amanheci com o coração ainda melhor que nos outros dias, vou dar uma
palhinha sobre o VAPORETO (nome que vocês deram).

Mas vou acrescentar uma experiência que fiz, em razão do estudo para desenvolver
o VAPORETO G2, em razão do que tem apresentado o G1.

Bem, comecemos pela economia:

Em tratores com potência entre 100 e 120 HP a economia se situou
entre 14% e 17 %, que para a atividade agrícola é um enorme ganho.
Em tratores entre 240% e 280% a economia caiu para 6% e 9%,
ainda assim excelente para a atividade. Essa queda em relação às potencias
logicamente é em razão do volume de "vapor" injetado, limitado pelo reator,
que é o mesmo, com pequena opção de regulagem.

Essa semana vamos montar um 2º reator num trator com 280 HP
para ver o que acontece, até para dimensionar um reator com mais vazão.

E posteriormente vamos montar um segundo num motor de 115 HP,
para encontrar o limite permiíivel de injeção de vapor, e havendo aceitação
do motor, logicamente a economia deve aumentar.

No Valmetinho, com 65HP haviamos conseguido até 23% de economia.
Falando em Valmetinho, depois de ter sido cobaia e "aposentado", vai voltar
ao "laboratório". Já desmontamos os cabeçote para analisar a possibilidade
de adaptar um bico injetor de vapor, com programação de injeção, que detalho
outra hora do porque, mas antecipo que deve aumentar ainda mais a economia,
com o mesmo volume de "vapor". A pretensão é chegar a 50% de economia.


Agora a experiência que fiz:

Eu já a tempos destilo água em casa para minhas diluições medicamentosas
alternativas, meus preparados naturais.
Fazia a destilação com sistema de serpentina resfriada. Sexta-feira e ontem
mudei o sistema, para fazer uma avaliação, a partir de um questionamento que
surgiu em razão do VAPORETO e da G2 em estudo.

Então, eliminei a serpentina de resfriamento na destilação de água, soltando o vapor
diretamente no frasco receptor, claro, perdendo parte do vapor que não recondensava.
Depois de ter 1/3 de litro de água destilada numa garrafa de 1 litro, passei a gelar essa
água no congelador, até o ponto de começar a formar gelo, para então introduzir nela a
mangueira de vapor, e BINGOOO, confirmei minha teoria.

Vou descrever o que aconteceu, mas acho que vocês devem fazer a experiência
para visualizar e melhor compreender o que acontece, e tenho certeza vai dar
novos subsídios para a geração de HHO e porque ele não funciona nos automóveis,
como vem sendo usado.

1º- Quando a água de recepção está ainda gelada, o vapor entra borbulhando
e as bolhas subindo à superfície, formando uma leve e fraca turbulência;

2º - Conforme a água de recepção começa a aumentar a temperatura, e
devia aumentar a turbulência, surpreendentemente acaba a turbulência
e as bolhas se desfazem na saída da mangueira, havendo uma aparente
anulação de temperaturas de extremos opostos;

3º - Logo depois, com mais aumento de temperatura, porém ainda bastante
fria, começam a haver IMPLOSÕES na mangueira, inclusive com "pipocos"
que parecem aqueles pipocos do HHO nos copos com detergente, mas claro,
não é queima, não há combustão.

4º - Após aumentar a temperatura, de morna pra quente, na água de recepção,
começa a aumentar proporcionalmente a turbulência, até próximo da fervura,
mas um fenômeno intermediário acontece. Em determinado momento a água de recepção
se torna visualmente leitosa, de tanta micro bolhas, que presumo sejam de oxigênio livre,
para num momento seguinte, novamente a água se tornar translúcida, e ai com macro
bolhas, não mais micro.

Vejam, a temperatura do vapor, em todas as etapas é sempre a mesma, o que muda é a temperatura
da água de recepção na garrafa, dai cabe uma análise sobre esses possíveis efeitos, ou não, na introdução
do HHO na sucção do motor, onde o HHO vai se chocar com temperaturas do ar diferentes, de motor para motor, ponto de introdução e rotação do motor, que quanto maior, teoricamente mais frio o ar sugado. Façam suas avaliações.

Agora, como destilo a água:
Numa panela de pressão encaixo uma mangueira de PVC, dessas de chuveiro, no pino
de saída de vapor (depois de retirado o peso de retenção/pressão). A outra ponta introduzo
numa garrafa de litro, branca. Nesse caso, sem serpentina de resfriamento, o primeiro 1/3 de água é demorado, pois muito vapor é perdido (diminuí a perda passando a mangueira num funil plástico, encaixado na boca da garrafa). Só depois de obter esse 1/3 começo a gelar a água, por diversas vezes, obtendo assim 1/2...3/4 e 1 litro.

Panela de pressão de alumínio não serve, pois a água destilada fica levemente azulada. Certamente
a panela de alumínio libera contaminante (causa do alzheimer, pois libera alumínio também no alimento
ao cozinhar).
Usei uma panela de pressão com teflon, a água sai cristalina.
Mas para a simples experimentação do que acima expus, a panela de alumínio pode servir.


Ver perfil do usuário

284 Re: HHO no dinamômetro em Dom 27 Out 2013, 23:43

h-roo escreveu:Mas báh tchê, barbaridade !!!!!! ....kkkkkkkkkkkkk

ET/Mãe Diná, vou te explicar como a coisa funciona aqui, pra tu não ficar chutando pra linha de fundo.

Primeiro, não tenho funcionários, tenho parceiros de trabalho.
Não os tenho como funcionários.
A remuneração deles é a mesma minha.
Tiradas todas as despesas, luz, energia, impostos e o "escambau", 30% do lucro
é capitalizado e 70% é divido entre 6...eu, meu parceiro mor e mais 4
parceiros. Portanto, e ai está o pulo do gato, se eles não derem conta do
trabalho, mais uma ou duas pessoas serão chamadas, para dividir os mesmos
70%...então eles dão o máximo para produzir e com perfeição, pois serviço
que precisa ser refeito dá prejuízo.
E mais, tudo fazem para aprender cada vez mais, inclusive a função do outro
companheiro, se tornam "faz tudo", e não "especialistas".

Aprendi isso com meu pai, só que fui além, vou explicar:

Meu pai, além do salário que pagava a seus funcionários de lavoura, que era o mesmo que outros
empresários do agronegócio pagavam, reservava 3% do faturamento bruto para dividir entre os
funcionários. E 3% de +- 2.000 hectares de lavoura dava uma boa grana no fim de cada colheita (2 por ano).
Então a mesma coisa acontecia, eles preferiam dividir os 3% por 10 e não por 15, de maneira que o trabalho
deles rendia mais que rendia o trabalho dos funcionários dos outros plantadores. Mas tinha mais, pois uma coisa era fazer o trabalho, outra é faze-lo com perfeição, de maneira que do lucro final, mais 5% eram distribuídos aos funcionários, para que eles tivessem não só a tarefa, mas também o lucro como objetivo.

Quando eu por 4 anos tive uma mineradora de ouro em Cuiabá, tive 5 funcionários por todos os 4
anos, quando outras mineradoras, primeiro, precisavam 6 a 7 funcionários para fazer o mesmo serviço, além de sempre terem alta rotatividade (comum nas mineradoras), as vezes trabalhavam com 3 ou 4, até conseguirem repor a mão de obra. De maneira que minha produção sempre foi uniforme durante a semana, moia em torno de
40 cargas de caminhão caçamba por dia.

Porque eu mantive os 5 durante 4 anos, e outros não conseguiam isso?...Simples.
Primeiro, acomodações decentes e confortáveis, para um merecido descanso.
Segundo, 5 refeições diárias, pois eram 10 a 12 horas trabalhadas por dia.
E ai entrava o grande diferencial, pois eu pagava as horas extras, que outros não pagavam,
além de a cada fim de semana dar um extra, de acordo com o resultado do ouro extraído,
Como a alimentação do moinho era feito através do jato d água de alta pressão no material
a ser introduzido, e isso deve ter regularidade uniforme, muita atenção, de maneira que eles sabiam que
se não o fizessem, fim de semana o EXTRA minguava.
Em comparação com outros mineradores (sempre haviam 4 ou 5 moinhos na mesma área), eu
moia mais durante a semana, com rendimento ouro/carga maior.

Eu chamo essa prática como capitalismo social, mas com foco mais no social.

Entendeu?

Mais tarde volto para falar sobre o Vaporeto, vou dar algumas informações.
Hugo, na boa, eu fico feliz de ver um comentário como esse.

Ver perfil do usuário

285 Re: HHO no dinamômetro em Seg 28 Out 2013, 00:54

acalister


Rank : 5
Rank : 5
as luzes estão nos alertando, o pior ainda esta por vir,

http://www.youtube.com/watch?v=wPuo1ewzxcE

Ver perfil do usuário

286 Re: HHO no dinamômetro em Seg 28 Out 2013, 03:38

acalister


Rank : 5
Rank : 5
[quote="h-roo"]Como hoje amanheci com o coração ainda melhor que nos outros dias, vou dar uma
palhinha sobre o VAPORETO (nome que vocês deram).

Mas vou acrescentar uma experiência que fiz, em razão do estudo para desenvolver
o VAPORETO G2, em razão do que tem apresentado o G1.


Vejam, a temperatura do vapor, em todas as etapas é sempre a mesma, o que muda é a temperatura
da água de recepção na garrafa, dai cabe uma análise sobre esses possíveis efeitos, ou não, na introdução
do HHO na sucção do motor, onde o HHO vai se chocar com temperaturas do ar diferentes, de motor para motor, ponto de introdução e rotação do motor, que quanto maior, teoricamente mais frio o ar sugado. Façam suas avaliações.


[/quote]


Hugo, lei isso, sei que tu já conhece o processo, mas .....

Tempestades formam-se quando há suficiente liberação de calor latente pela condensação de gotas de nuvem e cristais de gelo (na parte fria da tempestade). Dentro da tempestade coexistem movimentos verticais ascendentes e descendentes intensos, o que gera muita turbulência mistura e entranhamento de ar pelo topo da tempestade a medida que ela cresce. O ar seco que entranha pelo topo é muito seco e evapora as gotas e cristais da nuvem gerando resfriamento das parcelas de ar e sua descida através da nuvem, na forma de correntes descendentes, ao mesmo tempo que correntes ascendentes sobem devido ao aquecimento das parcelas de ar pela liberação de calor latente de condensação.
As tempestades ocorrem quando a atmosfera encontra-se termodinamicamente instável, há energia potencial disponível para ser convertida em movimento de ar ascendente dentro da nuvem e descendente fora da nuvem (na forma de uma célula de circulação), e quando há convergência do vento em superfície, por exemplo, junto a uma frente de rajada de brisa marítima durante o período convectivo.
É interessante que novas células de tempestade podem se formar do lado em que o ar úmido adentra à tempestade principal (indutora). As células podem se deslocar em uma direção enquanto a tempestade em si ou o sistema de tempestades se desloca em outro. O sistema vai na direção do vento médio da troposfera enquanto as células individuais se propagem em uma direção intermediária entre o vetor médio troposférico e o oposto do vetor médio da baixa troposfera, isto é para uma direção inclinada em relação aquela que o ar úmido e instável entra na nuvem em baixos níveis.

Ver perfil do usuário

287 Re: HHO no dinamômetro em Seg 28 Out 2013, 13:34

acalister escreveu:
h-roo escreveu:Como hoje amanheci com o coração ainda melhor que nos outros dias, vou dar uma
palhinha sobre o VAPORETO (nome que vocês deram).

Mas vou acrescentar uma experiência que fiz, em razão do estudo para desenvolver
o VAPORETO G2, em razão do que tem apresentado o G1.


Vejam, a temperatura do vapor, em todas as etapas é sempre a mesma, o que muda é a temperatura
da água de recepção na garrafa, dai cabe uma análise sobre esses possíveis efeitos, ou não, na introdução
do HHO na sucção do motor, onde o HHO vai se chocar com temperaturas do ar diferentes, de motor para motor, ponto de introdução e rotação do motor, que quanto maior, teoricamente mais frio o ar sugado. Façam suas avaliações.



Hugo, lei isso, sei que tu já conhece o processo, mas .....

Tempestades formam-se quando há suficiente liberação de calor latente pela condensação de gotas de nuvem e cristais de gelo (na parte fria da tempestade). Dentro da tempestade coexistem movimentos verticais ascendentes e descendentes intensos, o que gera muita turbulência mistura e entranhamento de ar pelo topo da tempestade a medida que ela cresce. O ar seco que entranha pelo topo é muito seco e evapora as gotas e cristais da nuvem gerando resfriamento das parcelas de ar e sua descida através da nuvem, na forma de correntes descendentes, ao mesmo tempo que correntes ascendentes sobem devido ao aquecimento das parcelas de ar pela liberação de calor latente de condensação.
As tempestades ocorrem quando a atmosfera encontra-se termodinamicamente instável, há energia potencial disponível para ser convertida em movimento de ar ascendente dentro da nuvem e descendente fora da nuvem (na forma de uma célula de circulação), e quando há convergência do vento em superfície, por exemplo, junto a uma frente de rajada de brisa marítima durante o período convectivo.
É interessante que novas células de tempestade podem se formar do lado em que o ar úmido adentra à tempestade principal (indutora). As células podem se deslocar em uma direção enquanto a tempestade em si ou o sistema de tempestades se desloca em outro. O sistema vai na direção do vento médio da troposfera enquanto as células individuais se propagem em uma direção intermediária entre o vetor médio troposférico e o oposto do vetor médio da baixa troposfera, isto é para uma direção inclinada em relação aquela que o ar úmido e instável entra na nuvem em baixos níveis.
André, ficou muito codificado, bela história como a do Hugo e sua destilaria, mas ponha, vocês dois, interpretações práticas para nós.

Sem tentar por mais um mistério para ser decifrado, apenas iniciando uma análise sobre uma melhor forma de destilação, vocês conhecem os hotpipes?

Ver perfil do usuário

288 Re: HHO no dinamômetro em Seg 28 Out 2013, 16:35

acalister


Rank : 5
Rank : 5
[quote="ET-e-HHO-existe"][quote="acalister"][quote="h-roo"]Como hoje amanheci com o coração ainda melhor que nos outros dias, vou dar uma
palhinha sobre o VAPORETO (nome que vocês deram).

Mas vou acrescentar uma experiência que fiz, em razão do estudo para desenvolver
o VAPORETO G2, em razão do que tem apresentado o G1.


Vejam, a temperatura do vapor, em todas as etapas é sempre a mesma, o que muda é a temperatura
da água de recepção na garrafa, dai cabe uma análise sobre esses possíveis efeitos, ou não, na introdução
do HHO na sucção do motor, onde o HHO vai se chocar com temperaturas do ar diferentes, de motor para motor, ponto de introdução e rotação do motor, que quanto maior, teoricamente mais frio o ar sugado. Façam suas avaliações.


[/quote]
André, ficou muito codificado, bela história como a do Hugo e sua destilaria, mas ponha, vocês dois, interpretações práticas para nós.

Sem tentar por mais um mistério para ser decifrado, apenas iniciando uma análise sobre uma melhor forma de destilação, vocês conhecem os hotpipes?[/quote]

codificado? o Hugo é quem esta fazendo TEMPESTADE,rsrsrs, eu não conheço hotpipes

Ver perfil do usuário

289 Re: HHO no dinamômetro em Seg 28 Out 2013, 17:49

acalister escreveu:
ET-e-HHO-existe escreveu:
acalister escreveu:
h-roo escreveu:Como hoje amanheci com o coração ainda melhor que nos outros dias, vou dar uma
palhinha sobre o VAPORETO (nome que vocês deram).

Mas vou acrescentar uma experiência que fiz, em razão do estudo para desenvolver
o VAPORETO G2, em razão do que tem apresentado o G1.


Vejam, a temperatura do vapor, em todas as etapas é sempre a mesma, o que muda é a temperatura
da água de recepção na garrafa, dai cabe uma análise sobre esses possíveis efeitos, ou não, na introdução
do HHO na sucção do motor, onde o HHO vai se chocar com temperaturas do ar diferentes, de motor para motor, ponto de introdução e rotação do motor, que quanto maior, teoricamente mais frio o ar sugado. Façam suas avaliações.


André, ficou muito codificado, bela história como a do Hugo e sua destilaria, mas ponha, vocês dois, interpretações práticas para nós.

Sem tentar por mais um mistério para ser decifrado, apenas iniciando uma análise sobre uma melhor forma de destilação, vocês conhecem os hotpipes?
codificado? o Hugo é quem esta fazendo TEMPESTADE,rsrsrs,  eu não conheço hotpipes
Eu achei tanto a história do Hugo (sobre destilação) quanto a tua (sobre formação de tempestade) muito interessante. Estou tentando entender o que foi descrito e porque acontece assim, não sei se conseguirei, só que me pareceu que esses efeitos por vocês mencionados, na visão de vocês, teria uma ligação com a economia que se pode alcançar no carro. Era isso que eu queria saber de vocês, onde vocês acham que isso pode ajudar a entender as coisas sobre economia de combustível ou o vaporeto.

Quanto ao hotpipie, isso é uma técnica, ou melhor dizendo, um aparelho que melhora muito a transferência térmica, muito usado em coolers diversos, até cooler de CPU para computadores.

A ideia simples disso é:

Um tubo vertical, fechado nas pontas, devidamente evacuado (sem cagar) e com um pouco de liquido dentro. Pode ser água, pode ser álcool, pode ser outro liquido qualquer que cumpra a as etapas do processo de evaporação e condensação continua em circuito fechado.

Imaginando um tubo fechado, vácuo perfeito, na vertical, com 1/10 de água no fundo, se for aquecido o fundo, então uma forte evaporação acontece sem precisar ser a 100°C, o vapor está confinado e encontra na parte superior do tubo uma região fria (não precisa de grande diferença de temperatura) e condensa transferindo o calor para parte de cima do tubo, depois o liquido condensado escorre para o fundo.

Hotpipes profissionais usam um material absorvente  nas paredes do tubo, material que mantem toda parede com liquido através da capilaridade, assim o tubo não precisa ficar somente na vertical para funcionar, podendo funcionar em qualquer posição.

Seu notebook usa isso para colocar o cooler do processador numa posição favorável, na horizontal.

Eu não queria mostrar a eficientíssima transferência térmica do hotpipe, eu queria mostrar a evaporação/condensação com uma diferença de temperatura pequena e a evaporação com baixa temperatura.

Peguemos, agora, duas garrafas interligadas por um tubo, conjunto perfeitamente vedado para fazer vácuo, faz o primeiro recipiente ficar cheio da água que se quer destilar, uma pequena refrigeração no segundo recipiente vazio (mera ventilação) e um leve aquecimento no primeiro recipiente com água, circuito fechado, sem perca de vapor. Hugo, faz isso que tu vai se surpreender com a eficiência dessa destilação.

Foi usando esse método, sendo os recipientes duas seringas (pois ajudam na hora de fazer o vácuo) interligadas pelos bicos da agulha, êmbolos puxados e travados para fazer o vácuo, foi com esse aparato que eu destilei: Café, coca-cola e mijo. O gosto ainda permanece após a destilação (não provei o mijo, mas o café ainda ficou com gosto na água destilada, a coca-cola eu não lembro), mas a segundo recipiente fica com a água clarinha.

Ver perfil do usuário

290 Re: HHO no dinamômetro em Seg 28 Out 2013, 19:46

acalister


Rank : 5
Rank : 5
[quote="ET-e-HHO-existe"]

ET, eu não entendi a utilidade desse condensador, seria só para produzir água limpa para alimentar o sistema vaporetto ou criar um super borbulhador eficiente para mega produções de HHO? são coisas bem diferentes, o Hugo codificou o sistema criado por ele e os seus parceiros socialistas, porem capitalistas, ficou difícil de saber em que dimensão faz parte esse dispositivo, tá parecendo tecnologia humana, achei que isso havia sido banido pela federação galatica.

Ver perfil do usuário

291 Re: HHO no dinamômetro em Seg 28 Out 2013, 20:08

acalister escreveu:
ET, eu não entendi a utilidade desse condensador, seria só para produzir água limpa para alimentar o sistema vaporetto ou criar um super borbulhador eficiente para mega produções de HHO? são coisas bem diferentes, o Hugo codificou o sistema criado por ele e os seus parceiros socialistas, porem capitalistas, ficou difícil de saber em que dimensão faz parte esse dispositivo, tá parecendo tecnologia humana, achei que isso havia sido banido pela federação galatica.
André, o Hugo está fazendo uma ginastica enorme para destilar água, com grande gasto energético, não sei exatamente o objetivo dele, não sei se é para o vaporeto, ou para alguma fórmula mágica de algum remédio esotérico dele, eu apenas quis dar a ele uma opção mais eficiente de destilar água, seja lá para que fim for.

No nosso caso, que gostamos de água de degelo para eletrólise, esse método não funciona muito bem. Não que não destile a água, mas tu já notou que a água de degelo condensa uma água mais pura do vapor natural que existe na atmosfera, do que se forçarmos um vapor oriundo da fervura da água de torneira?

Eu já coloquei uma panela de água fervendo na geladeira para gerar mais vapor e ter mais rápido água de degelo. A água condensada dessa forma era bem mais condutiva que se eu deixar somente a umidade natural do ar se condensar na geladeira. Já fiz minha experiência com as seringas, para gerar alguns ml de água pura e, novamente, a água era bem mais condutiva que a água de degelo natural. Claro que uma destilação simples, como as duas sitadas anteriormente, fica melhor que água da torneira, mas a água de degelo bem recolhida só é superada por água pura de laboratório e por muito pouco.

Explica essa diferença.

Como o Hugo está satisfeito com água destilada simples, então ele não precisa de uma água tão pura como nós, então minha sugestão de um sistema isolado, confinado, com vácuo, deve servir para ele.

Ver perfil do usuário

292 Re: HHO no dinamômetro em Seg 28 Out 2013, 20:58

acalister


Rank : 5
Rank : 5
[quote="ET-e-HHO-existe"][quote="acalister"]


Explica essa diferença.

Como o Hugo está satisfeito com água destilada simples, então ele não precisa de uma água tão pura como nós, então minha sugestão de um sistema isolado, confinado, com vácuo, deve servir para ele.[/quote]




Et, verdade, água pura de laboratório é algo magnifico, eu adorei, pena que custa cara, muito cara, 7 reais 1/2 litro, enfim, a de degelo é bem mais em conta, porem pouca coisa inferior, mas vai ver o que ele realmente deveria fazer é OSMOSE REVERSA  ou quem sabe até extrair água do ar.


Ver perfil do usuário

293 Re: HHO no dinamômetro em Seg 28 Out 2013, 21:46

acalister escreveu:
ET-e-HHO-existe escreveu:
...
Explica essa diferença.

Como o Hugo está satisfeito com água destilada simples, então ele não precisa de uma água tão pura como nós, então minha sugestão de um sistema isolado, confinado, com vácuo, deve servir para ele.
Et, verdade, água pura de laboratório é algo magnifico, eu adorei, pena que custa cara, muito cara, 7 reais 1/2 litro, enfim, a de degelo é bem mais em conta, porem pouca coisa inferior, mas vai ver o que ele realmente deveria fazer é OSMOSE REVERSA  ou quem sabe até extrair água do ar.
Ainda bem que tu notou isso também, senão eu seria a única voz a dizer isso e acabaria desconfiando de mim mesmo.

Eu colocaria assim, na seguinte ordem de pureza, ou de maior resistividade que indica pouco eletrólito diluído: (em ordem do pior para o melhor) água da torneira, água da chuva, água destilada, água de degelo recolhida de qualquer jeito, água de degelo recolhida sem contaminação e sem indução de vapor, água pura comprada para laboratório.

Ver perfil do usuário

294 Re: HHO no dinamômetro em Ter 29 Out 2013, 02:18

acalister escreveu:as luzes estão nos alertando, o pior ainda esta por vir,

http://www.youtube.com/watch?v=wPuo1ewzxcE
Karaca meu, o Hugo parou com isso e agora o mais novo abduzido começa a seguir essa linha da ufologia rsrsrsrs.
Acho que teremos que abrir um novo tópico, Os canalizados, ou, Ufologia, ou  A nova pinelándia .


Vou fazer minha contribuição para a nova pinelandia.

Veja este filme, a grande chegada dos irmão do Hugo ao nosso planeta, a tão esperada chegada dos alienigenas pelo Hugo, e a grande surpresa que ele vai ter com seus irmão galáticos...

filme: SKYLINE A INVASÃO



Última edição por jonas.p.andrade em Ter 29 Out 2013, 16:09, editado 1 vez(es)

Ver perfil do usuário

295 Re: HHO no dinamômetro em Ter 29 Out 2013, 04:29

Olha só o que eu achei, não se trata da recente crise do calote de algumas semanas atrás, se trata da mesma crise a 2 anos atrás.

Ver perfil do usuário

296 Re: HHO no dinamômetro em Ter 29 Out 2013, 19:23

acalister


Rank : 5
Rank : 5
[quote="h-roo"]Como hoje amanheci com o coração ainda melhor que nos outros dias, vou dar uma
palhinha sobre o VAPORETO (nome que vocês deram).



Bem, comecemos pela economia:

Em tratores com potência entre 100 e 120 HP a economia se situou
entre 14% e 17 %, que para a atividade agrícola é um enorme ganho.
Em tratores entre 240% e 280% a economia caiu para 6% e 9%,
ainda assim excelente para a atividade. Essa queda em relação às potencias
logicamente é em razão do volume de "vapor" injetado, limitado pelo reator,
que é o mesmo, com pequena opção de regulagem.

Essa semana vamos montar um 2º reator num trator com 280 HP
para ver o que acontece, até para dimensionar um reator com mais vazão.

E posteriormente vamos montar um segundo num motor de 115 HP,
para encontrar o limite permiíivel de injeção de vapor, e havendo aceitação
do motor, logicamente a economia deve aumentar.

No Valmetinho, com 65HP haviamos conseguido até 23% de economia.
Falando em Valmetinho, depois de ter sido cobaia e "aposentado", vai voltar
ao "laboratório". Já desmontamos os cabeçote para analisar a possibilidade
de adaptar um bico injetor de vapor, com programação de injeção, que detalho
outra hora do porque, mas antecipo que deve aumentar ainda mais a economia,
com o mesmo volume de "vapor". A pretensão é chegar a 50% de economia.



[/quote]




Hugo, a frequência deve ser ajusta, quanto maior o motor menor deve ser frequência, vc me entendeu?

Ver perfil do usuário

297 Re: HHO no dinamômetro em Ter 29 Out 2013, 22:24

h-roo


Rank : 5
Rank : 5
acalister escreveu:
h-roo escreveu:Como hoje amanheci com o coração ainda melhor que nos outros dias, vou dar uma
palhinha sobre o VAPORETO (nome que vocês deram).



Bem, comecemos pela economia:

Em tratores com potência entre 100 e 120 HP a economia se situou
entre 14% e 17 %, que para a atividade agrícola é um enorme ganho.
Em tratores entre 240% e 280% a economia caiu para 6% e 9%,
ainda assim excelente para a atividade. Essa queda em relação às potencias
logicamente é em razão do volume de "vapor" injetado, limitado pelo reator,
que é o mesmo, com pequena opção de regulagem.

Essa semana vamos montar um 2º reator num trator com 280 HP
para ver o que acontece, até para dimensionar um reator com mais vazão.

E posteriormente vamos montar um segundo num motor de 115 HP,
para encontrar o limite permiíivel de injeção de vapor, e havendo aceitação
do motor, logicamente a economia deve aumentar.

No Valmetinho, com 65HP haviamos conseguido até 23% de economia.
Falando em Valmetinho, depois de ter sido cobaia e "aposentado", vai voltar
ao "laboratório". Já desmontamos os cabeçote para analisar a possibilidade
de adaptar um bico injetor de vapor, com programação de injeção, que detalho
outra hora do porque, mas antecipo que deve aumentar ainda mais a economia,
com o mesmo volume de "vapor". A pretensão é chegar a 50% de economia.






Hugo, a frequência deve ser ajusta, quanto maior o motor menor deve ser frequência, vc me entendeu?




Entendi não

Ver perfil do usuário

298 Re: HHO no dinamômetro em Qua 30 Out 2013, 00:12

h-roo


Rank : 5
Rank : 5
Em Mardin, na Turquia

http://www.mynet.com/video/haber/mardin-de-ucgen-ufo-goruldu-418794/

Ver perfil do usuário

299 Re: HHO no dinamômetro em Qua 30 Out 2013, 00:25

Encontrei na 5ª dimensão mais um devoto parceiro do Hugo. Lá deve estar cheio, escondidos, mas devotos do ETzianismo.

Em meio a essa confissão velada por lá, surgiu um vídeo interessantíssimo


O Hugo teria uma legião de fãs por lá.

Ver perfil do usuário

300 Re: HHO no dinamômetro em Qua 30 Out 2013, 01:57

h-roo


Rank : 5
Rank : 5
ET-e-HHO-existe escreveu:Encontrei na 5ª dimensão mais um devoto parceiro do Hugo. Lá deve estar cheio, escondidos, mas devotos do ETzianismo.

Em meio a essa confissão velada por lá, surgiu um vídeo interessantíssimo


O Hugo teria uma legião de fãs por lá.
Conseguiu entender alguma coisa?...ou ficou "boiando"?

Ver perfil do usuário

301 Re: HHO no dinamômetro Hoje à(s) 00:59

Conteúdo patrocinado


Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo  Mensagem [Página 12 de 15]

Ir à página : Anterior  1 ... 7 ... 11, 12, 13, 14, 15  Seguinte

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum